quarta-feira, novembro 30, 2005

Super Vilões Reunidos


Nova tira atualizada no site do Homem-Grilo, que está hospedado temporariamente no antigo endereço da M.E.D.I. pois o servidor do Gardenal.org está dando problema e eu não estou conseguindo logar para atualizar o site.

Ah, e esta tira foi desenhada pelo Samuel Bono, que agora irá revezar nas tiras do Homem-Grilo com o Ricardo, já que este não estava conseguindo dar conta das atualizações semanais sozinho. Espero que vocês curtam o trabalho do Bono.

terça-feira, novembro 22, 2005

Cultura Inútil

Imperdíííível!!

Aprenda a tocar o clássico 'Oh! Suzana' no seu telefone!




Instruções: Esta é fácil. Regule o seu telefone para o modo 'discagem de tom'. Abaixo está a letra da música, e ao lado, as teclas que você precisa discar para obter o som esperado.


Oh! Suzana

Quando fui ao Alabama (1 2 3 9 9 # 9 3)
E toquei meu violão (1 2 3 3 2 1 2)
Encontrei uma menina (1 2 3 9 9 # 9 3)
Num cavalo alazão (1 2 3 3 2 2 1)

Ela me pediu sorrindo (1 2 3 9 9 # 9 3)
Pra tocar uma canção (1 2 3 3 2 1 2)
Que falasse do Alabama (1 2 3 9 9 # 9 3)
De um banjo e um violão (1 2 3 3 2 2 1)

Oh! Suzana (6 6 # #)
Não chores por mim (# 9 3 1 2)
Pois eu volto pro Alabama (1 2 3 9 9 # 9 3)
Pra tocar meu banjo assim... (1 2 3 3 2 2 1)


Clique ao lado para ouvir a versão desta música feita em MIDI!! Oh! Suzana


PS: Sim, eu não tenho mais o que fazer! E pelo visto você, caro(a) leitor(a), também não... XD

domingo, novembro 20, 2005

Massacration - Gates Of Metal Fried Chicken Of Death

Esqueça bandinhas como Iron Maiden ou Judas Priest, pois depois de ouvir esse disco do Massacration, "a maior banda de metal do universo", você irá finalmente descobrir o que é heavy metal de verdade.

Se você assiste Hermes e Renato, certamente já conhece essa hilária banda. O Massacration nasceu como uma paródia aos clichês clássicos do heavy metal. Suas músicas, numa mistura de inglês com português num grande “embromation”, são uma verdadeira tiração de sarro aos estereótipos do estilo, tanto das bandas, quanto dos ouvintes. O grupo é formado por Detonator nos vocais, Blondie Hammet e Headmaster nas guitarras, Metal Avenger no baixo, e Jimmy "The Hammer" na bateria. O disco teve produção de João Gordo, dos Ratos de Porão, sob a alcunha de Rick Rubinho.

“Gates of Metal...” já começa com a gozação logo na capa, numa parodia ao estilo das ilustrações de capa do Manowar (que normalmente trazem um bárbaro no melhor estilo Conan). O disco conta com 13 faixas, entre inéditas e músicas já conhecidas entre os fãs como Metal Massacre Attack, Metal Milkshake e Metal Bucetation.

Entre as inéditas, cabe aqui destacar algumas como a faixa de introdução, que traz uma receita de bolo sendo lida com uma voz satânica com diversos sons tenebrosos ao fundo (hilário!). Evil Papagali, que conta a história de um papagaio diabólico e infernal. Let’s Rider do the Metal Land, que é a música com o melhor refrão (e o mais engraçado) do disco. E Metal Glu Glu, que traz a participação especial do grande “headbanger” Sérgio Malandro. O disco ainda possui uma última faixa “extra” que certamente irá agradar até o mais true dos headbangers.

Por fim, só resta dizer que o heavy metal nunca mais será o mesmo depois “Gates of Metal...”, um disco que certamente já entrou para História. E vida longa ao Massacration, a banda que é certamente a grande escolhida do Deus do Metal para liderar os seus fiéis pelo caminho da salvação.

DADOS TÉCNICOS

Gates of Metal Fried Chicken of Death - Compre Aqui
Massacration
Faixas:
1. Intro
2. Metal Is The Law
3. Evil Papagali
4. Metal Massacre Attack (Aruê Aruô)
5. Feel The Fire... From Barbecue
6. Metal Milkshake
7. The God Master
8. Cereal Metal
9. Metal Dental Destruction
10. Let's Ride To Metal Land (The Passage Is R$1,00)
11. Metal Glu Glu
12. Away Doom
13. Metal Bucetation

Vícios de um Maluco Endiabrado


É por isto que eu sempre digo: Pense bem antes de entrar neste ramo! Ah, antes que eu me esqueça... Meti mesmo a tarja de censura nos peitões da loira aí da imagem... Por que? Pombas, a MEDI é um site voltado para seres honrados, pessoas de família... Bom, quase isso... O que eu não quero ver depois, são aquelas senhoras buzinando nos comentários: "Pelo amor de Deus, por que ninguém pensa nas criancinhas??"... Enfim, se você é um jovem cidadão, pare de gastar a sua mão com bobagens como esta. Saia com a sua namorada, e veja ela pagar um peitão ao vivo... Isto sai bem mais em conta... hehehe XD

sábado, novembro 19, 2005

Dragon Ball Zica - Capítulo 14

Essa Série é de Matar!

Por Galford

Ahá, mais cedo que do que imaginavam, né? Eu disse que ia terminar esse ano, e nem mesmo o Toryama poderá me deter, hohoho, fora que isso está enchendo e estou a fim de escrever algo novo, então sem mais delongas, vamos ao que interessa...

Finalmente o tosco do Caldo Magin Burro desperta e entra pra famosa galeria de vilões podres do universo DBZ. Sem suar ele despacha Gohanta, Karaioshin e Daburaco, que com sua morte os outros saem do estado petrificado. Ao longe Dijita e Goânus sentem seu Ki... uh!

Goânus – Você sentiu isso?!
Dijita – Maldito, você peidou de novo?!
Goânus – Não, desta vez não. Burro despertou.
Dijita – Droga, olha, Gackt cantando Vanilla!!!
Goânus – Onde? Onde?

Pow!!! E Goânus é posto a nocaute por Dijita, sim, sim, eles lutaram pra caramba e ninguém caiu, agora um mero golpe pego em distração botou o cidadão a nocaute.

Agora Dijita luta com Burro e pra variar toma uma surra daquelas, é um saco de pancada mesmo, e pra piorar toma um golpe Rolinho Primavera. Todo preso, é espancado até Thanks vir salvá-lo com ajuda de Gotênis!

PicoléBabebibobu, você vai morrer. E tchun, ele é cortado ao meio.
Babebibobu – Hehe, pode matar, vou voltar daqui a pouco mesmo.
Picolé – Maldiro roteiro sem noção.

Dijita – Thanks, meu filho, quer ganha um doce?
Thanks – Sim, papai!
Dijita – Então tome uma bolacha!
Ploft! E Thanks vai ao chão.
Gotênis – Sr. Dijita, como pode fazer isso, vou pedir ajudar!
Dijita – Faça isso, use esse telefone!
Ploft! E Gotênis vai a nocaute.
Dijita – Picolé, leve-os o daqui, vou tentar fazer algo útil nesse anime.
Picolé –Ok, apesar que eu acho mais fácil passar sem cortes os OVA do Kenshin na Rede Bobo!

Dijita – Caldo Magin Burro, eu vou acabar com você.
Burro – Hahaha, não seja besta, você acha que eu morreria tão rápido assim?! Essa enrolação vai ser a maior de todas.
Dijita – Ahhhhhhhhhhhhhhhh hiper super explosão desvatadora destruidora!!!

Assim Dijita e Burro vão pro saco, Picolé chega pra examinar e encontra Babebibobu lamentando. Enquanto isso Burro vai se reconstruindo e então volta ao normal.

Picolé – KCTA, nenhum vilão morre de primeira nesse anime?!

E verde de medo ele foge para o palácio de Kamisapata para tramar mais uns daqueles planos sem nexos. Enquanto isso Kibiko encontra seu amado Karaioshin, que o cura com sua massagem especial. De quebra, encontram Gohanta e o levam para o mundo de Karaioshin onde ficam brincando de excalibur com uma tal espada Zica.

Enquanto isso na terra, o pessoal usa Sheng Longe pra ressuscitar todos os mortos do dia....
E em outro lugar...

O Morte – MAS QUE PUTARIA, NÃO DÁ PRA TRABALHAR ASSIM!!!

Goânus chega histericamente e pede para não fazerem mais pedidos, enquanto isso Burro junto com Babebibobu vai transformando as pessoas em doces e destruindo a cidade.

Enquanto isso no palácio de Kamisapata...

Goânus – Seguinte, Gotênis e Thanks, vocês vão fazer a fusão, a mesma viadagem que o Picolé fez na fase do Freezer e não adiantou nada.

De repente:

Babebibobu (telepaticamente) - Ahá, pesquisei na Internet e descobri onde moram esses malditos moleques, vou mandar seu endereço pra todas testemunhas de Jeová da cidade e matar toda sua família.
Goânus – Que criatura impiedosa, podia simplesmente matar a família e já eras, usar testemunhas de Jeová já é crueldade demais. Vou dar um pau nele.
E tchun, ele se teleporta para onde está Burro e Babebibobu! - O negócio é o seguinte, to treinando dois moleques pra acabar com vocês, será que podem me dar um tempo?! Hein? Hein?!
Babebibobu - Deixa ver se entendi, você quer que fiquemos descansando até você treinar alguém pra matar a gente?
Gôanus - Isso, isso!
Babebibobu - Hum, num seria melhor tiramos umas férias em Paris e voltarmos quando seus filhos estiverem adultos, seria mais fácil pra eles nos matar.
Goânus - Puxa, que legal, fariam isso mesmo?!
Babebibobu - Idiota, eu estava sendo irônico.
Gôanus - Maldito, agora o pau vai comer. Vejam minha nova transformação.
Babebibobu - Puta merda, mais transformação, os caras se transformam mais que traveco da rua Augusta.


Começa a transformação junto com as palavras mais clichês da série: Não acredito! Que poder! Incrível! Não pode ser! E por aí vai...

Goânus - Ahá, muito fodona, né?! Esse aqui é Saiajeans nível... er... é tanta transformação que até perdi a conta.
E começa a briga, e não importa a transformação, os golpes são sempre os mesmos, uahhhhhh, tédio.

No meio da luta Sr. Encalhou grita telepaticamente - Goânus, sua mula, não o mate!!! Ainda tem que enrolar a série mais uns trocentos capítulos.
Goânus - Tem razão, adios hombres. - E ele vai embora.
Babebibobu - Seu idiota, deixou ele fugir.
Burro - Bah, ele sumiu mais rápido que um funcionário fantasma. Só de raiva vou matar você.
Babebibobu - Pombas, porque eu?
Burro - Porque você é inútil!
Babebibobu - Mas se for matar todos inúteis da série não vai sobrar ninguém.
Burro - Soco Matador!!! –E ao tomar o Soco Matador, Babebibobu morre.

Enquanto isso no Palácio de Kamisapata.

Goânus - Vamos, você tem que fazer a coreografia igualzinha, é igual dançar Macarena, logo pega o ritmo.
Picolé - Eles precisam mesmo fazer isso?!
Goânus - Na verdade não, mas será divertido ver um monte de otaku tosco imitando nos eventos de animes.

Enquanto isso na cidade Burro transforma todos em doces e come, Michael Jackson, morra-se de inveja.
Equanto isso, não agüento mais usar "Enquanto isso", pombas, quantas mudanças de planos, parece uma novela mexicana.
Gôanus se teleporta pro mundo dos Karaioshins e encontra Gohanta.

Goânus - Poxa, você está vivo, e o que faz com essa espada?
Gohanta - É a espada Zica, vai me deixar mais forte, ela corta qualquer coisa.
Gôanus - Legal, será que ela corta a enrolação desse anime?
Gohanta - Uia, vamos tentar.

A partir desse momento, a espada Zica deixou de ser um acessório único no mundo pra se tornar dois acessórios únicos no mundo.
E aparece Sr. Karaioshin, ele estava preso dentro da espada, é, eu sei, é ridículo, mas fazer o que, vamos ignorar isso e voltar pra terra onde Sr. Satango virou amiguinho de Burro, mas ao ver seu amigo tomar um tiro, Burro fica possessa e começar a apitar igual a uma chaleira, ele dá uma mijadinha numa xícara e oferece pra Sr. Satango, mas sabiamente ele recusa.

A fumaça que saiu dos seus buracos começa a tomar forma, e se transforma no Burro versão Seu Madruga, é o lado mal do Burro, e ambos começam a brigar, com os golpes básicos de sempre pra variar, no fim Burro original tentar transformar Burro Seu Madruga em chocolate, mas esse faz o feitiço voltar contra o feiticeiro, então o Burro Seu Madruga o come e se transforma num Burro mais foderoso...

NO PRÓXIMO CAPÍTULO


OI, AQUI É O MORTE! ESSA SÉRIE É, DESCULPE O TROCADILHO INFAME, DE MATAR, OS CARAS MAL CHEGAM AQUI E JÁ VÃO EMBORA, COMO POSSO TRABALHAR ASSIM?! VOU FALAR COM O SINDICATO, E SENÃO RESOLVEREM ISSO VOU ENTRAR EM GREVE, E TENHO DITO. VOU CUIDAR DOS MEUS GATOS QUE GANHO MAIS.

terça-feira, novembro 15, 2005

Yu Yu Hakusho no Canal 21

O melhor animê de luta que já passou no Brasil está de volta a TV aberta. Nem Dragon Ball Z, nem Cavaleiros do Zodíaco ,estou falando, é claro, de Yu Yu Hakusho. Se você estava com saudade de Yusuke, Kuwabara e cia, agora pode conferir suas aventuras todo dia às sete horas da noite no Canal 21. Demorô!

domingo, novembro 13, 2005

Dragon Ball Zica - Capítulo 13

O Começo do Fim

Por Galford

Aleluia, DBZica voltou, não adianta nada os ataques terroristas não é mesmo Sr. Toryama, que golpe baixo, rogou praga no pc e perdi meu HD com todo material, mas não serei vencido tão facilmente, hohohohohoho (risada maquiavélica e trovões ao fundo), vamos seguir com a programação, se é que eu lembro onde parei, uhuh...

Ah sim, finalmente é feito o primeiro sorteio, a luta é: Bunda e Kurinlixo.
Depois de ver Os Incríveis ganhar os Oscar de animação em cima do Shrek 2 e Bush ser reeleito, sabemos que coisas idiotas que pareciam impossíveis de acontecer, acontecem, e sim, Kurinlixo venceu.

Próxima luta é Picolé (ou Majulia, ele escolheu outro nome porque achava que Picolé era um nome ridículo, er) versus Karaioshin.

Kariaioshin – Uhuh, percebo que não consegue se mexer, é o medo diante do meu poder.
Picolé – Urgh, não devia ter comido aquele macarrão com salsicha, parece que tem uma genki-vadia dentro de mim.
Assim Karaioshin vence a luta.

Terceira luta é Pinel versus Spopobitch.
Pinel vai pra cima: Tome isso, mais isso, mais um pouco disso, mais um pow e mais um plaft. Mas Bitch não se abala.
Pinel - Kcta, esse cara deve tá usando um Gameshark, ele não cai.
Bitch - E agora é minha vez, tome isso, mais isso, mais um pouco disso, mais um pow e mais um plaft.
Gohanta – Seu maldito, vai matá-la.
Goânus – Calma meu jovem, ela não apanhou tanto.
Gohanta – Como não? Você deve está vendo a versão da Rede Bobo, com altos cortes nas cenas violentas.

A pedido de seu namorado, Bitch encerra a luta antes de mandar Pinel pro limbo, que logo é recuperada com a ajuda do Viagra dos Deuses.

Kurinlixo – Poxa, Dijita, como você é insensível, nem se preocupou com luta.
Dijita – Ô careca cabeçudo, primeiro que eu não conheço essa mala, segundo que nesse anime é uma putaria porque qualquer um que morre é só reviver com as Bolas do Dragão e terceiro, nem pense em reviver a minha sogra quando ela morrer.

Quarta luta é Gohanta versus Kibiko.

Kibiko – Vamos, se transforme em super saiajeans!
Gohanta –Então quer conhecer meu grande poder!
Kibiko – Na verdade acho sexy japas loiros, uhuh.
Gohanta (pensando) – Céus, só tem queima rosca nesse anime.

E Gohanta se transforma, Spopobitch e Yumala se excitam com tamanha energia, voam até arena e enfia um objeto no toba de Gohanta (uh!) que suga toda sua energia.

Kurinlixo – Maldito Karaioshin, porque usou essa magia para paralisar Gohanta e não deixá-lo reagir?!
Karaioshin – Eu não usei magia nenhuma, ele tá paralisado porque está gostando da coisa.


Os dois carecas fogem, e todos vão atrás, até Gohanta que recuperou energia depois de uma massagem especial de Kibiko, que no caminho explica toda história.
Existia o bruxo Bibibi, ele criou um monstro terrível chamado Burro, que por onde passa destrói tudo, parece uma torcida organizada, Bibibi botou Burro num kinder ovo e mandou pra terra, próximo alvo, mas foi morto antes disso, só que seu filho Babebibobu, quer continuar seus planos.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO

Nãoooo, vamos escrever mais, quero que a DBZica acabe antes do próximo natal, mais um ano disso e minha saúde não agüenta.
[Versão oficial do Editor: O senhor Galford foi gentilmente convidado a terminar a DBZica esse ano (sim, pela primeira vez na vida vamos trabalhar com prazos), ou será cortado seus sucrilhos e terá que assistir uma maratona DBZ comendo macarrão com salsicha, ele comentou que agüentaria a maratona mesmo que ficasse com seqüelas, mas comer macarrão novamente seria algo inumano.]

Então todos chegam num morro onde vêem os dois carecas entregando o objeto que introduziram em Gohanta para Babebibobu e Daburaco, rei dos demônios, que então extermina os carecas. Daburaco vai pra cima dos heróis Zica, primeiro ele evapora com Kibico, logo dá uma cuspida em Kurinlixo (sempre ele, né?) e Picolé e ambos acabando virando pedra.

Dijita – Caracas, não sei que fumo esse cara mascou, mas o treco é forte pra caramba.

Daburaco foge pra dentro da nave onde rola lutas ridículas pra fazer mais enrolação.

Enquanto isso no torneio, depois de algumas tosquices, os adversários são Sr. Satango e Andróide 3x5+3.

Andróide 60:3-2 – Olha, por 2 milhões eu perco a luta ou...
Sr. Satango – Mas é muito dinheiro...
Andróide 10-4x3 – Ou farei a Kelly Chave apresentar DBZ na Rede Bobo...
Sr. Satango – Negócio fechado! Deposito hoje mesmo.

Assim o tosco Sr. Satango vence o torneio.
Enquanto isso rola mó quebra pau entre Gohanta e Daburaco, Babebibobu começar a dominar Dijita.

Karaioshin – Droga, ele aproveita da maldade interior das pessoas para dominá-las.
Goânus – Céus, isso explica o comportamento do Maluf, ACM e Bush!
Karaioshin – Quase isso, mas ninguém manda no ACM.

Tendo dominado Digita, Babebibobu envia todos para arena do torneio. Dijita atira contra a torcida e mando centenas para o limbo.

Dijita – Pronto, odeio superlotações!
Goânus – Digita, seu maldito! Você se deixou ser manipulado de propósito, agiu como um otaku perto de um editor de revista de anime.
Dijita dá outro tiro e despacha mais centenas de pessoas - Pode me xingar do que quiser, até xingar a mãe, mais me chamar de otaku é pedir pra morrer.

Assim, Goânus aceita lutar com Dijita e ambos são teleportados para o local onde está Burro!

Dijita – Então como vai ser a luta?
Goânus – Pra variar vamos quebrar mais um monte de pedras.
Dijita – Vamos usar aqueles chutes e socos rápido que o pessoal adora.
Goânus – Boa, boa, que tal um pouco de fumaça e...
Dijita – Raios, pra mostrar que temos ki absurdos e tal...
Gôanus – Ótimo, temos que caprichar, é a luta mais esperada da série, será a resposta para todas aquelas discussões toscas que rolam naqueles fórum nóias de Dragon Ball.
Dijita – Porra, nem me fale, soube da última? Pessoal fica falando de um tal de Dragon Ball AF!!!
Goânus – Aff, nós que somos alienígenas, mas os caras que twm idéia do outro mundo.
Dijita – Chega de enrolação e vamos pro pau.

Assim começa a briga do er... “século”, cheias de pedras sendo quebradas, socos e chutes rápidos, fumaça e raios mostrando kis absurdos.... aquela coisa super emocionante de sempre...

Enquanto isso na nave de Babebibobu, kinder ovo de Burro começa a abrir...

NO PRÓXIMO CAPÍTULO (e agora é sério)


Olá, eu sou o Picolé, estou aqui petrificado e com um monte de pássaros cagando em mim, pior de tudo é ficar aqui com o Kurinlixo, só queria que meu pé estivesse normal, só um chute e eu quebrava essa mala para sempre. Nos episódios a seguir, finalmente Burro faz sua estréia e se você pensava que DBZ não pudesse piorar em termos de tosquices, não perde por esperar. Ai que saudade do meu Gohanta. Uh!

ENTREM NA COMUNIDADE DE DRAGON BALL ZICA NO ORKUT

sábado, novembro 12, 2005

Chapolin Está De Volta

Ieba! O polegar vermelho está de volta a programação do SBT. O seriado do melhor super-herói da América Latina começa a passar neste sábado ao 12:45. Infelizmente, a exibição será semanal, e não diária como é a do Chaves. Agora é torcer pra que o SBT mantenha o Chapolin no ar por um bom tempo.

A outra boa notícia é o lançamento do Box de DVD trazendo os espisódios de Chaves, Chapolin e Chespirito. Essa vai ser certamente a minha primeira aquisição para o meu recém adquirido DVD player.

sexta-feira, novembro 11, 2005

Live Action? Sentai? Tokusatsu?

Por Galford (Publicado originalmente em 16/04/2001)

Se vc não entendeu o título dessa coluna, provavelmente não deve ter ligado o nome a pessoa, melhor dizendo, ao seriado. Já ouvir falar de Ultraman? Ultraseven? Spectroman? Power Rangers? Se disse sim pra alguma, então vc já viu isso na vida, e pior (melhor), periga ter virado um fã. As séries Tokusatsu (live action pra nós) surgiu no Japão a mais de 30 anos, as mais famosas são Ultraman, Ultraseven e Spectreman, q foram grandes sucessos, tendo milhares de fãs, inclusive no Brasil... Estranho imaginar como pessoas vestidas de super-heróis enfrentando monstros feitos de borracha (com direitos até a zíperes bem a mostra), lutando em cima de maquetes simulando uma cidade, possa nos fascinar tanto. Era algo tão falso e ao mesmo tempo tão real, um programa de adultos e crianças. Enquanto as mães queriam saber quem ficaria com quem no final da novela, a gente queria saber como Spectroman ia enfrentar dois monstros ao mesmo tempo, como Ultraman ia escapar daquela cruz de vidro ou qd Ultraseven ia desferir seu golpe final... oh, bons tempos.

Passamos por uma época de seca, mas depois a Manchete nos bombardeou com live actions, foi uma era de ouro. Entre eles:

Jaspion: Impossível esquecer dele e Anri, sua amiga andróide atrapalhada, junto com aquele bicho, Mi-la, sabe lá o q era aquilo (q num certo episódio sofreu uma transformação), de vilões como Mac Garen, e o temível Satã Goss, q a gente não via a hora encarar o gigante guerreiro Daileon (q tinha até musiquinha especial pra sua transformação), tinha aquela bruxa q resmungava antes de soltar qq magia.

Jiraya: Pra quem gostava de filmes de ninjas, esse live action era um prato cheio, tinha todos os elementos como shurikens, bombas de fumaça, disputas de clã, inimigos com artes secretas, intrigas, traições, pitadas de humor, até a música era boa... Lembrar como Jiraya detonava seus inimigos com a espada olímpica, sua quase morte e depois sua ressurreição com novos acessórios pra sua armadura, do vilão Dokusai, até um robô ele ganhou nos últimos episódios (lembro q minha tv queimou nessa época, eu só podia ouvir o som, e imaginar o q acontecia). Era animal...

Jiban: Esse não fez um sucesso tremendo, mas era um seriado de qualidade, uma espécie de Robocop nipônico, com direito carro e armas de última geração, o policial Naoto Tamura, morto protegendo o Dr. Igarashi, volta a vida graças ao projeito Jiban, seu desejo era encontrar sua irmãzinha (q desde o começo a gente desconfiava q era Ayumi, neta do doutor e menininha amiga dele).

Há outros tb, como Lionman, com sua aparência de bichinho de pelúcia, Metalder, Spilvan, o saudoso Robô gigante, com seu final super triste, e até ganhou um anime de qualidade (q eu nunca vi, meleca), Kamen Rider, q possui várias séries, e tão famoso na Japão como Ultraman, teve duas séries exibidas por aki, esse eu quase não acompanhei, mas é uma série de qualidade, bem caprichada, q infelizmente, não teve o final exibido por aki, entre muitos outros... e nem vou comentar de Patrine... hehe

Agora vem o sentai, esse tipo de live action, segue certas regras, como ser um grupo de 5 heróis, com uniformes iguais com exceção de cor, ter veículos separados q juntam forma um robô gigante, e enfrentam simples monstros q geralmente dão um jeito de crescer. Eu dei uma generalizada legal, mas a maioria dos grupos sentai seguem essas regras. Como:

Changeman: Esse é um clássico, fez muito sucesso na época do Jaspion. O Esquadrão relâmpago Changeman tinha a missão de enfrentar o poderoso Rei Bazoo, os vilões chamavam muita a atenção, como a vilã Shima com sua voz de homem, Buba q adorava um briguinha com Change Dragon (o dia da sua morte, foi muito dez), a Rainha Ahâmes em sua forma mais poderosa, o Gatta, com sua estranha mulher rosa e seu filho acompanhado de sua ocarina, e o mais famoso, o Gyodai, hehe, como pessoal adorava imitar ele, só o careca Giluke era meio xarope. Foi uns melhores sentai q passou por aqui. Lembro até do álbum q saiu deles junto com o Jaspion, o meu ta meio rasgado, mas completinho.

Flashman: Lembram o comecinho: Um dia cinco crianças foram raptadas da terra e levadas aos confins do universo.E após vinte anos... Comando Estelar Flashman. Outro sentai q fez muito sucesso por aqui, na minha opinião, foi o q chegou mais perto do nível de Changeman, mesmo com seus robozinhos, bem estranhos, aquele negociar de jogar os pneus no inimigo era muito dã, fora o robozão q só mexia os braços e soltara um raio final, parecia uma geladeira. Uma diferença aqui era q cada tinha uma arma exclusiva, como o par de luvas ou botas parecendo de cristal. A música de abertura era bem dez.

Power Rangers: Esse é bem conhecido, pq ainda passa na tv, e seus movies tb passaram no cinema daqui. O problema é q esse sentai foi adaptado, as partes com elenco japonês foi substituídas por elenco americano, adicionaram personagens cômicos (cômicos teoricamente), virou um pastelão, de original, só as cenas q o pessoal aparece de uniforme e as lutas usando o robô. Fora o fato q no original eram 4 homens e uma mulher, e no adaptado, ficou 3 homens e 2 mulheres, quer dizer, a mulher qd se transformava ficava com corpo de homem, q acabou deixando muita gente confusa. Recentemente é exibido a fase Perdidos na Galáxia, q parece algo mais sério, caprichado e fiel ao original.

Se continuar comentando, a coluna não termina mais, pq tem muita coisa, como Goggle Five, q fez pouco sucesso, mas tb é caprichado, Cibercops, q tinha boa história e personagens, mas efeitos vagabundos (parecia os efeitos especiais do ótimo Chapolin), Winspector, uma espécie de bombeiros com armaduras, pq não tinha monstros, só vilões simples, como ladrões, ou como aqueles q mandam no nosso país. Em pensar q até Homem Aranha entrou nessa dança...

É muita coisa pra pouco espaço, saudades dessa época, bem q eles podiam repassar, mas sem aquela mania chata de reprisar perto dos últimos capítulos, legal q eles legendaram as músicas de abertura e encerramento, e mas tarde dublaram. Muita gente acha estranho gostar de live action, mas basta vc estar num grupo de amigos, e citar Jaspion ou Changeman, q todo mundo começa a relembrar a série, seja os heróis, vilões ou as lutas, é o mesmo q acontece qd alguém menciona Chaves ou Chapolin, vira puro momento nostalgia. Hoje em dia tb será meio difícil live action voltar a fazer sucesso na tv, pelos menos se depender dessa nova geração de telespesctadores, acostumados com toneladas de efeitos especiais. Mas se depender de nós fãs antigos, q saiam direto da escola pra assistir, é sucesso garantido. Valeu por mais essa, Japão, Change Galford se despede...

Coisas de Mulher

Por Jubi (Publicado originalmente em 12/05/2001)

Hello boys and girls!!! Aqui estou, para tratar assuntos que já foram discutidos, imaginados, mas jamais comentados publicamente. Pelo menos, não que eu saiba.

Sempre que falamos dos nossos heróis vitaminados, acabamos comparando-os conosco, o cotidiano, costumes e culturas. Vamos citar um exemplo clássico e (considerado por quase todos os leitores) mais próximo da gente: Homem-Aranha. Ele tem problemas com o casamento, aluguel, trabalho e como se isso não bastasse, precisa salvar pessoas e assim ajudar a humanidade, diferente do Wolvie, que está sempre fugindo, procurando sobreviver e salvar quem tá necessitando no momento. O que foi? Não gostou do exemplo, acha que estou sendo marvelmaníaca-puxa-saco? Tá bom: então o Batman. Até tem seus "surtos" de normalidade e vez ou outra aparece em situações parecidas com as da gente. E agora o Robin, que está tendo problemas como um adolescente qualquer (que já não era sem tempo, afinal, a DC não tem ninguém nos representando, yeah, nós - "os aborrecentes").

Ahá... vamos ver se alguém é esperto o suficiente para manjar o que os exemplos acima tem em comum... tic-tac-tic-tac.... Beep! Beep! Tempo esgotado. Se vc não adivinhou, só foram citados CUEEEEECAS!!!! É isso aí! Parece que só os homens é que tem problemas com a vida.

Tudo bem, problemas com o tanque, a unha que quebrou, a maquiagem que estragou, a calcinha que ficou enfiada e na hora não dava p/ tirar, o cabelo que o cabelereiro cagou... não parecem ser problemas tão sérios e muito menos atrativos p/ o público. Mas existem outros assuntos a serem abordados. Por exemplo: Cólica e menstruação. Alguém já viu alguma heroína com um tijolo na bunda? E não é por nada não, com aqueles colãs, o modess ficaria bem visível. Aí, um engraçadinho (como muitos da lista da aracno) diria: "Ah, não aparece porque ela usa Tampax!" E eu responderia: "Acontece que os absorventes internos precisam ser trocados de 8 em 8 horas no máximo. Isso quando dura tanto tempo assim. Até agora, não vi ninguém parar uma luta - Espere um minuto, supervilão. Preciso trocar o meu O.B. senão daqui a pouco vai vazar." E claro, falando disso, conseqüentemente vem à cabeça TPM. E este último, é vastamente explorado por piadinhas infames. Hunf! :
Todo mundo sabe que mulher não pode ficar mijando em qualquer lugar. Se ela estiver no meio de uma luta, ou faz nas calças, agüenta firme ou foge p/ poder abaixar e fazer. Diferente dos homens que só "tiram p/ fora", mijam e "guardam" novamente.

As roupas e sapatos que usam são totalmente desconfortáveis e não-ortopédicos. É incrível como nenhuma delas ainda não torceu o pé com aqueles saltos enormes. (ok, ok, tem desenhistas que as fazem de botas, mas no geral até as botas têm salto). Não sei como é que peitões ainda não pularam p/ fora de decotes "ousados" que a mulherada usa. (por acaso alguém já reparou se alguma delas usa calcinha?) E estão sempre de batom e as unhas compridas e feitinhas... (argh, a minha vive quebrando).

Papos de "pai para filho", acontecem constantemente, que passam noções de responsabilidade, autoconfiança. Assuntos de mãe para filha, valores morais e tudo mais, necas.

As heroínas parecem ter sido fortes durante o parto. Nenhuma chegou a fazer escândalo como na vida real. Elas são "gente que faz".
Aborto, câncer de mama, discriminação no trabalho... idem. Aliás, as mulheres das HQs são todas bem sucedidas... e em relação a sentimentos, são 8 ou 80. Ou tem problemas sérios demais ou são sem sal e sem açúcar...

Claro que nem preciso citar as meninas-moças, né? Se as mulheres adultas não tem vez, coitadinhas das garotas... acho que a mais próxima de nós foi a Roxy (do GEN¹³), inclusive tratando do problema citado acima, onde lembro de uma parte que ela está em um navio, esfregando o chão e ressalta "E para piorar, estou de chico". Nem o GenX, que foi prometido como uma HQ voltada aos jovens conseguiu chegar perto.

Tudo bem, nem tudo é um mar-de-rosas. Esperem só até eu realizar meu sonho. Vcs vão ver... minha personagem vai ser o maior sucesso e... (Sim, sim! Eu tbm tenho o sonho de um dia publicar uma HQ... também sou humana... *suspiro*)

Bjinhos, e byezinho!

A Voz do Fogo

Por Jose Carlos Neves (Publicado originalmente em 15/01/2003)

Uma viagem aos primórdios da História e até mesmo dos rudimentos da Linguagem, como no filme A Guerra do Fogo (In Quest of Fire); depois, é estar presente ao mundo hostil, sujo, corrupto, promíscuo, doentio, bárbaro e até mesmo nojento, da Idade Média, como em O Nome da Rosa, de Umberto Eco. A história de uma cidade, Northhampton, no interior da Inglaterra, num período de apenas 5.000 anos. A história da Magia, da Loucura, da Morte - e da Reencarnação, quem sabe... - Tudo isto pode ser dito de A Voz do Fogo, outra magnus-opus forjada no manancial inesgotável que é o teclado de Alan Moore, o mago barbudo que revolucionou os Quadrinhos. Aqui ele tenta sua primeira incursão de vulto no Mainstream, e como era de se esperar, o faz com maestria.

Publicada em 1996 pela já extinta Gollanz, somente na Inglaterra até então, o livro está para estreiar nos EUA e, por graças da inovadora Conrad Editora, saímos na frente.

Para quem conhece a obra original, era inconcebível que uma editora brasileira se interessasse na árdua tarefa de traze-la para nós, notadamente pela dificuldade de tradução do primeiro capítulo - na verdade são 12 contos distintos mas, quase imperceptível e ao mesmo tempo majestosamente entrelaçados. (Aliás, 12 também foi o número de episódios de Watchmen, a graphic-novel que revolucionou o gênero, ao desconstruir a mitologia dos Super-Heróis e 12 seriam também os episódios de sua infelizmente inacabada Big Numbers).

Nele, como no mencionado In Quest of Fire e em outras obras como O Senhor dos Anéis, Moore praticamente criou uma nova língua, ou a forma embrionária do que seria uma língua, ao contar a estória na primeira pessoa, a de um menino-sapiens, que tenta verbalizar - mesmo quando está só pensando - o que vivencia. Tenta narrar o inarrável, esboçando o que seriam as primeiras metáforas, ferramenta-mor do escritor.

A Conrad terceirizou a tradução e conseguiu um trabalho verdadeiramente profissional de Ludimila Hashimoto Barros.

A princípio, se estranha um pouco, é verdade. Mas é como ler Finnegan´s Wake, de Joyce, ou Em Busca do Tempo Perdido, de Proust. Mas sem os arcaísmos e excesso de erudição destes clássicos.

Vencido essas primeiras reminiscências, numa ousada viagem no tempo, mas não no espaço - como já mencionado, todos os relatos estão confinados às geografia e topografia de Northampton e numa clara elegia à sua cidade natal, depois de te-la execrado na Introdução de V de Vingança - Moore nos conta a História da Magia (com "h" mesmo, e não com "e", pois como ele mesmo diz "Isto é Ficção. Não é mentira) da subjetividade da natureza, da loucura do poeta John Clare (1841), da solidão dos bruxos, feiticeiras e xamãs, da morte, o porto compulsório de todo existir, e do fogo, que a tudo consome, até miticamente.

Ao final, já em 1995, temos o próprio autor como que submetendo-se a um "descarrego"existencial, quase nos implorando a voltar a sonhar, única forma de escapar dos círculos de superficialidade cada vez mais concêntricos e opressivamente decrescentes a que estamos encerrados. Clama-nos a resgatar a nossa antiga visão esotérica, aprisionada e enterrada pelos tempos materialistas e niilistas em que subvivemos, passivamente, o que pode ser a nossa real condenação ao "fogo eterno".

Obs: Para outras matérias sobre o mago barbudo de Northampton e um dos maiores roteiristas de Quadrinhos do mundo, veja meu site!

The Who - Tommy

Por Miyasa (Publicado originalmente em 22/03/2002)

Como vocês sabem, aqui na M.E.D.I. se fala de tudo, não apenas sobre quadrinhos. Pois bem, vamos falar um pouco de Rock. Mas se você pensa que vou falar de bandas como Nirvana ou Blink 1897x3497634², errou. Venho lhes trazer um pouco de cultura musical e lhes apresentar verdadeiros clássicos da história do Rock, clássicos que fizeram época e influenciaram músicos de todo o mundo.

Nos idos anos 60 e 70, aconteceu no mundo uma das maiores revoluções comportamentais que a civilização moderna conheceu. Foi uma época tumultuada, onde surgiram vários movimentos como o Punk, o Mode e, claro, o Hippie. E juntamente com esses movimentos, vieram as músicas que expressavam suas ideologias. Afinal, as bandas de rock eram o mais importante veículo de divulgação dessa revolução dos jovens, e de certa forma, o próprio rock foi a causa da mesma.

Foram nesses dias conturbados - e violentos - que surgiram algumas das maiores bandas da história. O blues dos Yardbirds de Clapton se transformou no peso do Led Zeppelin de Jimmy Page, os Beatles se tornaram ícones do movimento hippie, nasceu o rock progressivo com bandas como Genesis, Jetho Tull, Yes, Pink Floyd, Rush; o hard rock ficava cada vez mais pesado, com Deep Purple e Roling Stones; nasce o Heavy Metal com Black Sabbath e Judas Priest; e Iggy Pop, Ramones e Sex Pistols pregam o punk pelo mundo.

E, no meio de tanta confusão, eis que aparece The Who. Conhecida como a banda mais barulhenta da época - os músicos tocavam nos palcos com o volume tão alto que hoje sofrem com sérios problemas de audição -, o The Who começou a carreira com o visual comportado dos anos 50, seguindo o padrão dos Beatles, mas tinha em suas canções letras rebeldes e que resgatavam toda a urgencia dos jovens de sua época. As músicas I Can't Explain, I Don't Even Know Myself, My Generation, Heaven And Hell, e muitas outras, marcaram sua época pelas críticas sociais e expressarem todo o sentimento dos jovens.

Mas foi em 1969 que veio o reconhecimento da crítica, com o estranho álbum Tommy, que logo foi adaptado para as telonas do cinema em um musical surpreendente. Considerada uma das primeiras ópera rock - um disco cujas músicas narram uma única história com diálogos de personagens e narradores - e com fundamentos do progressivo incorporados, Tommy conta a história de um jovem cego, surdo e mudo que fez fortuna como campeão de pimball. Estranho? É só o começo!

Toda a história começa quando Tommy, cujo pai dado como morto na guerra, e a mãe viúva vão ao acampamento de férias e conhecem Frank, que se apaixona pela viúva e se muda para a casa deles. Porém, o pai desaparecido retorna e flagra a mulher e o amante em seu próprio leito. Sem saber de quem se tratava, Frank mata o homem, e Tommy, ainda criança, presencia toda a cena. Frank e a mãe do garoto, assustados e com medo de que Tommy os denuncie, exclamam: Você não viu nada, não ouviu nada e não dirá nada. Traumatizado fica cego, surdo e mudo, como uma espécie de bloqueio. A partir de então, surgem vários personagens inusitados, como o Pastor de uma igreja que adolatra Merilin Monroe, uma prostituta conhecida como "Acid Queen", o perverso primo de Tommy que o maltrata e o tio homossexual que o abusa. Tommy descobre que apesar de cego, é capaz de jogar pimball e logo se torna campeão milionário. Enfrenta o campeão mundial, e vence - Pimball Wizard é a melhor faixa do disco e a cena mais maluca do filme.

Após ser curado, quebrando seu bloqueio (com uma analogia genial a espelhos), Tommy descobre que é adorado por todos e percebe que é iluminado e tem em suas mãos os segredos para libertar as pessoas de suas prisões, afinal, no fundo, todos são cegos, surdos e mudos para a verdadeira razão de viver. Para atingir seu objetivo, se torna uma espécie de Messias e abre um "campo de férias", onde pretende ensinar seus discípulos a enxergar a vida como ele.

O filme atinge seu clímax na comovente cena final, com belas paisagens naturais. As canções são empolgantes e marcantes, mesclando o bom e velho rock'n roll com imagens psicodélicas, mensagens pacifistas e uma ótima historia. Indispensável para a coleção de CDs de qualquer roqueiro.

O elenco conta com artistas consagrados como Oliver Reed (Gladiador), Jack Nicholson (O Iluminado, Batman), Elton John, Tinna Tuner, entre outros. Confira o Cast:

Ann Margret: Miss Walker
Oliver Reed: Frank
Roger Daltrey: Tommy
Eric Clapton: Padre
John Entwistle: Ele mesmo
Pete Townshend: Narrador
Paul Nicholas: Primo Kevin
Tina Turner: Acid Queen
Keith Moon: Tio Ernie
Elton John: Pinball Wizard
Jack Nicholson: Doutor
Robert Powell: Capitain Walker

Tanto o CD - original e versão do filme - quanto o filme podem ser encontrados na Galeria do Rock (pra quem mora sem São Paulo).

5 x Infinitus

Por Miyasa (Publicado originalmente em 10/07/2001)

Como muita gente nova por aí anda desvalorizando o quadrinho europeu dos anos dourados - por ignorancia ou falta de oportunidade para conhecer as obras - este nobre Maluco lhes apresentará uma das várias obras primas do antigo mundo,

"O que aconteceria a um planeta cujos habitantes começassem todos de repente a apresentar sintomas de desvios mentais? Que seria de tal planeta, da noite para o dia transformado em imenso manicomio?" Ou "O que aconteceria se alguém conseguisse dominar o mundo dos nossos sonhos?" É o que os Cinco por Infinitus acabam descobrindo no espaço. Formado por Alfa, Antares, Libra, Argo e Tauros, o grupo é liderado por Infinitus, o último sobrevivente de uma espécie de inteligencia superior. Sua missão é simples: Explorar o universo em busca de novas formas de vida.

Durante sua longa jornada, enfrentam diversos perigos e contratempos, inimigos sobrenaturais, monstros de outras dimensões e mulheres fatais.

A obra é composta por 20 histórias curtas com 22 páginas, em média, sempre trazendo novas aventuras e descobertas do grupo de exploradores. O trabalho, muito bem ilustrado, traz um universo que somente o talento do artista Estéban Maroto - vencedor do premio de melhor autor em quadrinhos pela 'Academy of Comic-Books Arts' - poderia trazer à realidade. Monstros, planetas selvagens, planetas avançados, caos, dimensões paralelas, vampirismo, vilões lunáticos e poderosos, inteligencia artificial, mulheres sensuais - e mortais.

Este cenário confuso e insólito proporciona aventuras além da imaginação e torna as histórias em uma arte singular e marcante - e por vezes, assustadora.

Ao contrario de Star Trek - a quem pode ser comparado -, Cinco por Infinitus se passa completamente em planetas desconhecidos, sendo raro encontrar os heróis em sua nave mãe.

Apesar da simplicidade do roteiro e das aventuras, Cinco por Infinitus oferece uma boa leitura, fora dos padrões do quadrinho convencional. A arte de Estebán Maroto é surpreendente, e apesar de se passarem tres decadas, sua técnica e beleza perdura e encanta os olhos do leitor.

Toda a série foi publicada no Brasil em 1969 pela saudosa EBAL em 19 edições e, um ano mais tarde, relançado em um album encadernado em dois volumes. O final supreendente e inusitado dá à obra um toque especial de descompromisso. Recomendadíssimo, se você o encontrar em algum sebo.

Mai - A Garota Sensitiva

Por Miyasa (Publicado originalmente em 22/04/2001)

Olá amiguinhos! Hoje vim falar de um mangá super fashion q surgiu junto com a explosão da febre Akira seguindo a mesma linha "Paranormal". Publicado em 1988 no Japão (mesma época que foi lançado Akira em anime) e em 1992 no Brasil pela editora Abril, esta obra de Kazuia Kudo desenhada pelo mestre Ryoichi Ikegami (o mesmo de Freeman... suspiros...), certamente teve grandes influencias de "A Icendiária", de outro mestre: Stephen King. Ambas as histórias abordam uma garota telecinética e seu pai, que são perseguidos por uma organização secreta que quer estudar, dominar e utilizar seu poder a seu favor. Mas claro, a obra do Mestre do Terror não possui os delírios habituais dos escritores japoneses.

Ao contrario de A Incendiária, os poderes de Mai nao foram concebidos atravéz da ciência, mas é um poder que todas as mulheres de sua família, por incontáveis gerações, que era usado para manter a paz em Togakushi, o unico lugar da Terra que atravessou mais de mil anos sem lutas. Em Mai, a organização que a persegue é a Aliança da Sabedoria. Nada de cliches como "querer dominar o mundo". Eles querem os poderes de Mai para um futuro que eles almeijam contruir para a Terra. Para isso, eles contratam outras organizações poderosas e com grande influencia mundial, como a Organização Kaieda. Em uma das batalhas, o pai de Mai acaba ferido e, desaparecido, é dado como morto. Diante as dificuldades que a garota passa, ela acaba liberando seus poderes mais do que gostaria.

Vendo que seriam incapazes de capturar a garota, a Aliança da Sabedoria resolve usar uma arma tão poderosa quanto ela: outros garotos telecinéticos (entre eles um americano liiiiiiindoooo uuiuiuiui). No desenrolar da história aparecem outros personagens tão cativantes quanto a doce Mai, como a cruel Garten (uma alemã telecinética), o Sr. Mandarao, Intetsu, Kenmochi (o saco de pancadas da história), as amigas de escola de Mai, entre outros que se empenham em ajudar Mai e, como não poderia faltar um mascote, tem o cãozinho Ron que ajuda bastante também.

O que mais prende à história são os vários mistérios que aparecem durante a série. Mas você não vai querer que eu conte, vai? A série rendeu 8 volumes no Brasil e não é facilmente encontrado por aí. Talvez ainda exista em algum sebo da vida. Se encotrar, compre que além de raridade, é uma maravilha dos mangás. Mas se nao se importar em "ler figuras" ou souber ler em japones, o mangá original é facilmente encontrado em livrarias especializadas como a Comix ou Fonomag.

Tarzan - O Rei das Selvas Japonesas

Por Miyasa (Publicado originalmente em 01/02/2003)

O que vocês fazem aqui no meu escritório? Heim? Ah, querem que eu fale de algum anime legal? Ok, eu falo. O que? Sem criticar? Impossível!!! Bem, comecemos...

O que vocês fazem aqui no meu escritório? Heim? Ah, querem que eu fale de algum anime legal? Ok, eu falo. O que? Sem criticar? Impossível!!! Bem, comecemos...

Não é só de monstrinhos meigos, lutadores defendendo a Terra, menininhas bobinhas, magias, mechas, e samurais que vive o mundo do anime. Não é só de cultura japonesa que vive a animação oriental. Existem algumas pérolas que vão além dos clichês que as redes de televisão e industrias de brinquedos empurram para o público.

O anime que contém cultura japonesa pode ser uma novidade maravilhosa, cheia de beleza e sonhos para nós, ocidentais, mas para os japoneses é simplesmente comum, afinal é a cultura do país no qual eles nasceram, cresceram e aprenderam a dizer: hai, hai! hai!.

Por isso, existem vários animes que contam histórias e estórias sobre o ocidente. Entre vários, podemos citar Porco Rosso, que narra as aventuras de um ex-piloto italiano da primeira guerra mundial - se quiserem matéria sobre este maravilhoso anime, é só pedir. Entre esses animes, completamente fora do universo nipônico, se encontra um dos mais inusitados - e divertidos - de todos os "desconhecidos": Tarzan!

Não, você não leu errado, nem eu estou bêbado. Tarzan é uma sátira ao verdadeiro Rei das Selvas americano, divertido e sarcástico.

Antes de mais nada, esqueça tudo o que você já viu ou leu sobre Tarzan quando era moleque. Esqueça o Tarzan babaca da Disney, e esqueça aquele filme velhaco. Apaga. Vamos começar de novo.

Imagine um Tarzan fortão, loiro, olhos azuis, que se balança pulando de cipó em cipó, defendendo a selva e bradando seu berro, sua marca registrada: ÔÔÔÔ-ÔôÔôÔôÔôÔôÔôôôôôô!!!!

Ué, mas qual é a novidade, seu Miyasa?

Bem, imagine este mesmo Tarzan varrendo a casa, lavando a roupa, fazendo a comida, e todo o tipo de trabalho doméstico.

Imaginou?

Agora imagine a Jane, sua (dele) adorável amada, baixinha, obesa, um cabeção maior que ela própria, e a horrível mania de usar um batom vermelho semáforo o dia inteiro. Mandona, valentona, e forte! A única criatura que mete medo no Rei das Selvas (taí o motivo da submissão do homem em seu lar).

Junte isso a um enredo divertido, amigos pirados, situações embaraçosas e muito bom humor. Esta é a fórmula que fez de Tarzan uma comédia interessante. Jane transforma o Rei das Selvas em escravo, mas apesar de tudo, eles ainda se amam, e ela, além de ficar roxa de ciúmes, ataca todas as belas mulheres que aparecem na frente do maridão-dono-de-casa.

Durante toda a série, Jane e Tarzan brigam por causa das mulheres que aparecem para pedir socorro; ou mostra a luta de Tarzan ao lado de seu fiel amigo - um negro - para impedir que o cruel caçador do nariz vermelho cace os animais para vende-los e colocá-los no circo.

Bem, claro que nem tudo é perfeito, e é claro que eu não deixaria de apontar os erros. O anime deixa muito a desejar em animação, o design dos personagens é feio, e a velha luta para proteger a natureza ainda se sobrepõe nas histórias, o que as tornam um pouco chatas. Acredito que este foi o principal fator que tornou o anime um fracasso total. As lições de moral foram muito infelizes nesta série que poderia ser uma excelente comédia, afinal não há nada mais piegas e chato que uma moral em comédias. Além disso, ninguém mais agüenta heróis protegendo a natureza, essa fórmula já está saturada. É só se lembrar do malfadado Capitão Planeta.

Infelizmente, este escriba que vos fala assistiu o anime sem tradução e não encontrou nenhum site sequer sobre o anime, mas deixo o meu recado para... para... bem, para vocês saberem que existe o anime, oras.

Agora dêem o fora e me deixem descansar, digo, trabalhar.

Mahou Tsukai Tai

Por Samurai Y (Publicado originalmente em 07/01/2001)

Ó nois aqui travez!!! Dessa vez vim falar de um Anime muito bom, com muita comédia, aventura e romance, é Mahou Tsukai Tai, ai que saudade, já assisti e tô com vontade de assistir de novo, mais sem demora vamos lá!

Mahou Tsukai Tai (traduzido em português "Clube de Mágicos"), é um Anime que conta a história de 5 estudantes de uma escola que tem um clube mágico. A história se inicia um ano depois que uma nave extraterrestre com a forma de um cilindro gigante aparece em cima de Tóquio. Tudo começa quando essa nave passa a enviar "globos oculares" gigantes para observar a vida dos humanos, só que ela faz um trato com os humanos "não mexa conosco que nós não mexemos com vocês". Isso só dura até os "globos oculares" descobrirem um estudante que pode fazer magia, e pode destruir a nave. Mahou Tsukai Tai é uma grande comédia cheia de romance e aventura, como personagem principal um estudante chamado Takeu Takakura, diretor do clube de mágica, e quando se vê rodeado de mulheres seu nariz começa a "jorrar" sangue. Chega!!! Sem demoras, vamos começar a falar dos personagens.

Nome: Sae Sawanoguchi
Idade: 16
Aniversário: 13 de dezembro
Tipo sangüíneo: O
Altura: 156 cm
Interesse amoroso: Takakura Takeo

Sae é um muito amigável, alegre e uma pessoa muito esperta. Só tem um problema muito sério de auto confiança. Vive tentando montar a vassoura dela, só tem um probleminha dor na bun...ops deixa par lá. Ela também é bastante hiperativa. Sae realmente quer aprender magia, mas como já disse tem um problema de auto confiança. Ela é muito apegada em Jeff-kun, o pequeno ursinho dela (Que sempre voa com ela em sua vassoura), que as vezes lhe dá confiança para fazer as magias. A melhor forma de Sae para fazer magia é usando uma espiral desenhada no chão. Ela provavelmente é a mágica mais poderosa do clube.

Nome: Nanaka Nakatomi
Idade: 16
Aniversário: 17 de setembro
Tipo de sangue: A
Altura: 158 cm
Interesse amoroso: Aburatsubo Ayanjou

Nanaka e Sae sempre foram melhores amigas desde o jardim de infância. Nada agradaria mais Nanaka do que deixar o clube mágico. Infelizmente, ela não partirá sem Sae, mas Sae se recusa ir!

Nanaka está encantada com o sempai dela, o vice-presidente do Ayanojou(Olha só por quem que ela foi se apaixonar!!!). Como ela não gosta muito do Clube Mágico, o único motivo que fez ela entrar foi que Ayanjou está no Clube. Porém, depois que ela conta para ele o seu verdadeiro sentimento, os dois se tornam amigos muito íntimos, porque um entende muito bem ao outro. Nanaka provavelmente é a sócia mais fraca do clube, pois não leva muito sério a magia.

Nome: Akane Aikawa
Idade: 15
Aniversário: 3 de outubro
Tipo de sangue: B
Altura: 159 cm
Interesse amoroso: Nenhum aparentemente


Akane realmente gosta de meninos, vive namorando. Sabe muito bem usar suas magias, só tem um pequeno probleminha, usa muito sua magia com outras pessoa. Não costuma muito ir as reuniões do clube. É rica e tem muitas roupas, ela muda de roupa até mesmo no clube durante uma reunião.

Nome: Takeo Takakura
Idade: 17
Aniversário: 11 de março
Tipo de sangue: B
Altura: 172 cm
Interesse amoroso: Sawanoguchi Sae


Takeo é o fundador do clube mágico. Ele tem muitos livros sobre magia. Embora goste de trabalhar com magia, Takeo tem muito medo de fantasmas e outras coisas assustadoras. Ele gosta de Sae (E Sae também gosta dele! Não sei porque, já que o cara é muito feio!), mas o medo é mais forte por isso não fala.

Takeo é presidente do clube mágico, pois já que o fundou. O clube foi fundado quando ele achou uma batuta mágica(original), depois disso criou réplicas. Ele está extremamente orgulhoso dos cinco sócios que o clube dele tem. Sua maior "rival" é Mizuha, a presidente do clube de Mangá. Takeo é o segundo mais forte do clube, só perde para Sae. Porém, ele é mais entendido de magia que ela.

Nome: Ayanojou Aburatsubo
Idade: 16
Aniversário: 6 de junho
Tipo de sangue: AB
Altura: 178 cm
Interesse amoroso: Takakura Takeo



Ayanojou é o sujeito mais popular na escola. Ele supera todos os jogo esportivos e acadêmicos. Ele é o vice-presidente do clube mágico. Ayanojou é homossexual, é aquele cara que grita MA....RA....VI....LHO....SO, melhor dá ré no Kibe, escorrega no quiabo, é como o Galford P²C que não é chegado na fruta, acho que vocês já entenderam.....

Ele é apaixonado pelo presidente do clube, Takeo. E seu nível de habilidade mágica é o mesmo de Takeo.

Nome: Jeff-kun

Não muito é conhecido sobre o ursinho de Sae, Jeff-kun. Ele parece ser o protetor dela, como também um charme de boa sorte.

Sae o leva em todo lugar com, e o prende na ponto da vassoura. Sae lhe conta todos os problemas. Jeff-kun primeiro aparece a Sae em um sonho quase real, quando pequena. No princípio, ele aparece como uma figura de luz, e depois se torna Jeff-Kun e a partir daí se torna amigo inseparável de Sae.

Nome: Miyama Mizuha
Idade: 17
Aniversário: ?????
Tipo de sangue: A
Altura: 170 cm
Interesse amoroso: Takeo

Ela é a presidente do clube de mangá. Ela e Takeo desde que eram crianças. Parece que ela veio à Terra para fazer Takeo se sinta miserável. Ela tem uma risada totalmente sarcástica. Tem grandes, ops, enormes peitões, desculpe me empolguei, glândulas mamarias. Takeo nunca consegue discutir com ela, pois quando isso acontece ela "quase" esfrega seu peitos na cara dele ele sempre fica atordoado.

Preacher: O Pregador e seu Evangelho

Por Rodrigo Piolho (Publicado originalmente em 15/06/2001)

Jesse Custer era um pastor de Anniville, uma pequena cidade americana que, insatisfeito com a vida e profissão, estava perdendo a fé em sua religião. E em seu Deus. Certa noite, o pastor resolveu encher a cara e contar para quem quisesse ouvir os podres que escutava em seu confessionário. Tomou uma surra e na manhã seguinte sua igreja, geralmente vazia, experimentou uma lotação recorde. Então, no meio de seu sermão, um ser de energia atravessou a igreja e fundiu-se ao corpo de Jesse, destruindo-a e matando todos que ali se encontravam.

Em Abril de 1995, a história de Jesse chegava às comicshops americanas. Preacher é algo diferente de tudo que se vira antes. O ser de energia que fundiu-se a Jesse é Gênesis, fruto de um anjo e um súcubo, um demônio feminino. Quase tão poderoso quanto o próprio Deus, desde que incorporado à alma de um ser humano, ele carrega consigo o maior dos segredos do Céu: O Criador abandonara o firmamento à sua própria sorte, para viajar pela Terra. Além disso, Jesse foi agraciado com algo que ele chama de "a palavra de Deus", um poder que carrega em sua voz e faz com que quem o escute o obedeça irresistivelmente. Se ele diz "queime", o corpo da vítima entra em combustão espontânea. "Morra" e a pessoa cai defunta na hora.

É lógico que o Céu não gostou nada de ver Gênesis livre e incorporado à uma alma humana. Para que isso fosse corrigido, enviaram o "Santo dos Assassinos" atrás de Jesse. O Santo é um cowboy que, ao morrer e ir para o Inferno, fez um trato com o Anjo da Morte e assumiu seu lugar. Impiedoso, mal e com um par de revólveres que nunca erram o tiro e nunca precisam ser recarregados, ele só é solto no planeta em ocasiões de desespero absoluto. Como essa.

Preacher é recheado de personagens bizarros: além do Santo há os três parceiros de Jesse em sua busca: Tulipa, uma ex-assassina de aluguel e, "coincidentemente", a primeira e atual paixão do pastor; Cassidy, um vampiro irlândes totalmente porra louca; e John Wayne (é, o ator) que aparece de vez em quando para ele. Do outro lado, temos o Santo, o Cara-de-Cu, - um garoto fã de Kurt Cobain que deu um tiro na cara quando o cantor se suicidou. Ao contrário de Kurt, no entanto, ele sobreviveu, com o rosto totalmente deformado - ; e muita gente escrota e pervertida. Ah, Deus também fez aparições na forma do velhinho barbudo rodeado de luz.

Cassidy, Cara-de-Cu e o Santo dos Assassinos também tiveram edições especiais solo que contavam suas origens ou parte delas. A mini-série do Santo é a mais antiga (por aqui) e saiu pela Abril. Preacher é fruto da mente pervertida do irlândes Garth Ennis, a maior revelação dos quadrinhos britânicos dessa década, ao lado de James Robinson, que segue a tradição de predecessores como Alan Moore e Neil Gaiman e dos traços do também britânico Steve Dillon. Polêmico e genial, Preacher é uma das melhores HQs da atualidade, sendo que conquistou o Will Eisner Award 1999 de melhor HQ seriada.

Desnecessário dizer que Preacher é recheada de violência e mexe com muitos tabus religiosos. Destinada ao público adulto, no Brasil Preacher começou a ser publicada pela Metal Pesado, com o arco "Viagem Para o Texas", numa mini-série em duas partes. Depois passou a ser um título mensal e chegou ao número 18, resistindo às mudanças de nome da editora, que passou de "Metal Pesado" para "Tudo em Quadrinhos" e, finalmente "Atitude", antes de fechar as portas. Além dos 18 números mensais, ainda foram lançados dois especiais pela "Metal Pesado/TEQ/Atitude": "A História de Você-Sabe-Quem", estrelando o Cara-de-Cú e "Cassidy: Wiskhey & Sangue", com o Vampiro irlandês.

Depois da suposta falência da Atitude, Preacher ficou no limbo alguns meses, até ser lançado de forma confusa pela Brainstore Editora. Atualmente, Preacher está em seu quinto número pela editora, seguindo onde a Atitude parou. A Brain também publicou o especial "Preacher: O Cavaleiro Altivo", que conta um pouco do passado de Jesse Custer e Tulipa. O outro personagem regular da série que teve um especial dedicado a si foi o Santo dos Assassinos, em uma mini-série em quatro edições publicada pela Abril.

Rob LieFeld: Por que Odiamos Ele?

Por Rodrigo Piolho (Publicado originalmente em 07/05/2001)

Em uma linha: porque o cara é ruim de serviço. Simples. Em uma explicação mais abrangente, pode-se dizer que ele é não é só presunçoso, como mal-caráter, caloteiro, não sabe desenhar (escrever menos ainda) e ainda por cima tem a cara dura de se considerar à altura de grandes gênios, como Stan Lee e Jack Kirby. É mole?

Quando começou, até que a maior "persona non-grata" dos quadrinhos atuais prometia alguma coisa. Admito que o primeiro trabalho dele, a mini-série "Rapina e Columba" é bem legal. E é só! Os elogios devem ter subido à cabeça do menino, ainda mais quando o número de estréia da X-Force bateu todos os recordes de venda nos EUA (só americano, mesmo!). Aí ele se juntou à uma galera muito competente que, infelizmente, encheu a bola do guri mais ainda na fundação da Image e ele despirocou de vez. Mas, como diria Jack, o Extripador, vamos por partes.

Para começar, vamos falar dos personagens criados pelo doidão. Na Marvel foram dois os notáveis: Cable, um mutante cujos poderes eram a incrível capacidade de carregar um trabucão de 12 metros (mais tarde perceberam que o cara era mutante e deveria ter poderes. Aí Louise Simonson deu telecinésia e telepatia para ele, pra não complicar muito sua vida.); e Deadpool. No entanto, devemos questionar até onde foi a influência do co-criador do tagarela, o competente Fabian Nicieza. Afinal, Deadpool é muito duca pra ter sido criado só pelo Liefeld.

Na Image, o cara resolveu "criar" personagens à rodo, todos muito originais: O Youngblood não parece nem um pouco com os Vingadores, a Brigada não parece com os X-Men, o Troll não é o Wolverine nanico, Glory não é a Mulher-Maravilha escarrada (nem foi desenhada pelo Deodato) e Supreme não é o xerox do Super-Homem. Sem falar de outros, como Profeta e cia. Ou seja, como criador de personagens ele daria uma bela máquina de xerox. Sua capacidade de escrita então é fora do comum. Quem é Neil Gaiman perto da sabedoria e dos argumentos brilhantes desse sujeito (aos desavisados: Estou sendo MUITO sarcástico).

Como desenhista então é que ele brilha. Na obra ganhadora do Eisner Award "Sérgio Aragonés massacra a Marvel", o espanhol cita uma frase que deve ser o catecismo de Liefeld: "Outros artistas são lentos...perdem tempo com besteiras como perspectiva e anatomia." Liefeld segue isso à risca: braços gigantes, biceps maiores que os rostos dos personagens, pernas maiores do que as da Fairchild (e sem uma explicação para tal) e coisas assim. Há até mesmo uma escola de desenho nos EUA que usa os trabalhos de Mr. Liefeld como exemplos do que não se deve fazer.

Aí ele saiu da Image e fundou uma editora própria. E foi fazer os "Heróis Renascem" para a Marvel, pegando Capitão América (6 edições) e Vingadores (7). Só fez merda. James Robinson e Walt Simonson substituiram-no e fizeram, em uma edição, um trabalho muito melhor do que a anta do Liefeld em todo o período em que esteve no projeto.

Eu poderia falar muito ainda do Liefeld, como por exemplo, do fato dele ser o único homem na face da terra que conseguiu que seus títulos (Supreme e Young Blood) escritos por Alan Moore fossem cancelados quando estavam em suas melhores fases. Ou do fato dele não pagar os caras que trabalham pra ele (Roger Cruz que o diga) e coisas assim. Mas vou parar por aqui.

Os fãs que me perdoem, mas ele serve mesmo é pra fazer propaganda de jeans. E, o pior de tudo é que, vira e mexe, ele desenha pra Marvel. Por isso a editora tá nessa pusta pindaíba, rezando pro Quesada salvá-la.

Namoradas e HQs

Por Rodrigo Piolho (Publicado originalmente em 23/04/2001)

É possível uma convivência pacífica entre esses dois seres?

Muito bem, aqui estou eu assumindo um posto no meio desses Malucos Endiabrados. Quando o Homem-Grilo me convidou para me juntar ao M.E.D.I, pensei comigo mesmo: "Uhm... Mais uma coluna em mais um site. Se continuar nesse ritmo, logo eu consigo levar à cabo meu plano de dominar o mundo via internet!" ;-)

Brincadeiras a parte, não precisei de muito esforço para escolher o tema dessa coluna de estréia, que deve ser mensal a partir de agora. Pelo menos até a diretoria do site resolver me expulsar. Mas não vejo isso acontecendo tão cedo. Acho.

De qualquer forma, o título de minha coluna trata de um drama que alguns fãs de HQs enfrentam ao longo de sua adolescência e que pode seguir ou não sua vida adulta. Basicamente, se trata do fato de "como convencer a sua namorada de que HQ é uma coisa legal, que não é para crianças" e que é uma forma de cultura e diversão tão válida quanto o cinema ou a literatura? Obviamente que antes de falar desse assunto em si, é bom lembrar que há vários tipos de namoros e namoradas. Falo do tipo mais comum, pois, venhamos e convenhamos, é fato conhecido de que mais de 90% dos leitores de quadrinhos pertencem ao sexo masculino. Nem precisamos ir muito longe para ver isso, basta acessar os sites onde as listas e fóruns de discussão sobre o assunto estão baseadas (Yahoogroups, Grupos,) e puxar a lista de membros para notar uma predominância de homens falando sobre o assunto. Ou passear por uma das raras convenções e premiações na área de HQ no Brasil. Se tirarmos as meninas que estão ali a trabalho e aquelas que acompanham os namorados, podemos contar nos dedos as que realmente compareceram ao dito evento exclusivamente pelas HQs. É claro que não vou generalizar dizendo que as meninas que acompanham seus namorados ao evento estão ali apenas pela companhia, já que muitas delas também lêem HQ e unem o útil ao agradável.

O problema da "namorada-que-não-gosta-de-HQ-e-implica-com-isso" não tem uma época certa para começar, devido ao fato de que isso depende da capacidade do leitor de quadrinhos de, em primeiro lugar, conseguir uma namorada. Pode ser aos 12 ou aos 22, mas é bem provável que esse problema aconteça com mais freqüência quando nosso leitor de quadrinhos está namorando em sua pré-adolescência ou pouco depois, na adolescência. Nessa fase, a palavra "Nerd" costuma atormentar os leitores de quadrinhos. Com a meninas creio que a coisa seja diferente.

De qualquer forma, a melhor maneira de convencer a sua "namorada-que-não-gosta-de-HQ-e-implica-com-isso" a pelo menos deixar de implicar com sua paixão de infância é simples: Tratamento de choque. Pra fazer isso, é fácil.

Sendo a sua namorada, é provável que você a conheça razoavelmente bem e, consequentemente, tem uma clara noção dos gostos e hábitos da garota. Se ela é uma pessoa que gosta de ler, tudo fica mais fácil. Seu primeiro desafio é convencê-la a, pelo menos, dar uma chance às HQs. Pra fazer isso, só você mesmo. Cada um é cada um e cada um sabe o melhor jeito de convencer a sua namorada - ou ao seu namorado, possíveis garotas que venham a ler essa coluna. O conselho vale para ambos os sexos ;-) - a fazer o que você pede. Ajoelhar na frente dela e implorar é válido, dependendo do tamanho do seu desespero. Mas é meio patético e eu não aconselho, devido às possíveis conseqüências desse ato no futuro. Vai que o namoro acaba e ela espalha isso pra todo mundo? Sua reputação, que já não é lá essas coisas, justamente pelo fato de você ser um leitor de quadrinhos e já carregar um estereótipo "Nerd" consigo, vai ficar bem tosca...

Voltando à vaca gelada, convencendo a garota - ou o cara, meninas - a pelo menos dar uma chance aos quadrinhos, vasculhe a sua coleção atrás de obras que você acha que podem ser do agrado dela e empreste-as. O mínimo que pode acontecer é ela - ou ele - realmente detestar e aí o jeito é você nunca mais falar de HQs com ela - ou ele - caso queira continuar o namoro. Para evitar tamanho desastre é que sugiro que você pense bem antes de separar o que seu alvo deve ler. No caso das namoradas, sugiro algo mais leve à princípio como Estranhos No Paraíso (a mini da Abril e os álbuns da VL em ordem cronológica), as séries Bruxaria e Bruxaria: Le Terreur, de James Robinson e as minis da Morte (A Grande Perda da Vida e O Grande Momento da Vida). O Garoto que Colecionava Homem-Aranha é uma historinha pequena que está em HÁ nº 19 (formatinho) que vai agradá-las também.

No caso dos namorados, meninas, se você é fã de Super-Heróis, Marvels é uma boa, A Era de Ouro, idem, pois mostram o nascimento, ou a consagração, dos principais heróis das maiores editoras. Starman de James Robinson e Homem-Aranha: Ano Um, e Os Arquivos Secretos do Homem-Aranha, de Busiek também cumprem bem esse papel. Se ele gosta de histórias policiais, Sin City é leitura obrigatória. E mais algumas que me escapam à memória nessa manhã de Terça-feira, mas que vocês lembrarão quando for necessário, tenho certeza.

Sandman é recomendável para ambos os sexos, assim como coisas mais adultas, como V de Vingança, de Moore, Os 300 de Esparta, de Miller, Orquídea Negra - a série original de Gaiman & Mckean – e até O Monstro do Pântano, tanto a fase de Alan Moore quanto a mini O Celestial e o Profano, de Rick Veitch. Álbuns do Asterix ou Clássicos Disney também são recomendados. E alguns Mangás, mas aí nem arrisco indicar nenhum, pois não conheço tão bem o estilo. Obviamente que são só sugestões. Como eu disse antes, isso vai depender, em primeiro lugar, da sua capacidade de persuasão e, em segundo, dos gostos pessoais dela(e). Mesmo assim, evite de todas as maneiras, mesmo que você adore, materiais como Youngblood, X-Force, Brigada, ou qualquer coisa do Liefeld, o Homem-Aranha do Mackie e os X-Men do Lobdell.

Parece muito trabalho, não? Também acho. Por isso seja esperto(a) e procure uma garota – ou garoto – que goste de quadrinhos antes de começar a namorá-la (o). Com certeza vai te evitar uma bela quantidade de problemas. E dores de cabeça. :-) Vou ficando por aqui, porque tenho que voltar ao trabalho. Mais ou menos. Mês que vem eu volto. Acho

Abraços a todos!

Diário de um Sobrevivente do Macarrão com Salsicha

Por Galford (Publicado originalmente em 05/10/2002)

Querido diário, finalmente voltei, achei que nunca mais o veria, passei por momentos difíceis, tudo começou em um Domingo.

Domingo: Parecia mais um dia normal, estava eu, Homem-Grilo e Jairo na casa do Samurai Y falando altas bobagens como de costume e como era tarde, estávamos morrendo de fome. Enquanto isso na cozinha, a mãe do Samurai pegava o caldeirão da família e preparava o tal macarrão com salsicha, durante alguns momentos escutei alguns barulhos de explosões, mas achei que fosse parte do tiroteio diário da rua. Enfim, fomos convidados/obrigados a comer o tal macarrão, eu tentei evitar, talvez prevendo o perigo, mas um revólver 38 conseguiu fazer eu mudar de idéia. Terminado a refeição, cada um pegou seu rumo e o dia parecia terminar normalmente...

Segunda: Aqui estou eu no hospital tomando altas doses de soro, depois de vários exames, toxicológicos, mentais, radioativos, descobriram que estava com intoxicação alimentar, foi uma semana de rei, eu não saia do trono. Fiquei sabendo também que nosso amigo Homem-Grilo ganhou hospedagem no hospital da região, já o Jairo, eu o vi andando nu pelas ruas à noite gritando: I'm the lizard King. Samurai Y nada sofreu, acredito que pelo fato de comer macarrão desde criança seu estômago tenha criado uma defesa natural e por isso está normal (se é que ele é normal).

Domingo: Acho que estou melhor, já consigo movimentar 70% do meu corpo.

Segunda: Já consigo movimentar 85% do meu corpo, fui visitar o Samurai Y, notei que o gato estava comendo o tal macarrão, tentei avisá-los do perigo, mas foi em vão.

Terça: Descobri que o gato está passando mal, fui visitá-lo, estava em estado traumático e recebia soro diariamente. Notei que toda vez que ele sente o cheiro do macarrão tenta em vão desligar os aparelhos. Tive que ir, me senti mal quando ele me agarrou pela camisa e implorou: Me salve! Me Salve! Puxe o fio! Eu não teria coragem pra isso.

Sábado: Tirando a queda de cabelos e perna mancando, acho que não tenho mais seqüelas do acidente. Descobri que a patroa do Samurai foi experimentar o tal macarrão, pedi que não fizesse isso porque poderia perder a namorada, mas ela comeu e não passou mal. Alguns dias depois soube que ela teve alergia a camarão e não passava muito bem, isso me levou a conclusão que a mãe do Samurai tinha inventado um novo macarrão com efeito retardado. Hoje em dia a patroa chinesa é facilmente confundida com uma alemã devido a pele rubra, notei que cada vez que menciono a palavra macarrão com salsicha, ela começa a ter um tiques nervosos.

Segunda: Estive bolando uma teoria, que o macarrão possa ser uma simbionte alienígena que ainda está viva dentro de nossos corpos. Então se um dia me encontrarem morto com um rombo no peito e um rastro de sangue, tenham medo, muito medo.

Terça: Andei pesquisando na net sobre macarrão e achei algumas coisinhas. O criador do filme Alien diz ter criado a história baseada numa pequena lenda de uma pequena cidade de São Paulo. O macarrão com salsicha hoje em dia está em fase de teste como arma química.

Quarta: Sinto algo mexer dentro do meu estômago, melhor ir ao médico...

X-Men Made in Brazil

Por Galford (Publicado originalmente em 21/03/2002)

Pessoal pode falar que é perseguição, mas esse filme merece mesmo essas avacalhações. Como diria o Jiraya, não perdôo. Isso era um projeto pro site que foi engavetado, como eu já tinha feito quase tudo, resolvi mostrar a Deus e ao mundo.

Depois da assistir aquele filme meia boca dos X-men (bom, alguns gostaram, vai entender) e ver que escolheram os atores num jogo de palitinho, prá vocês os melhores atores brasileiros pra representar nossos heróis mutantes na telinha, seguindo o raciocínio do filme original. Na verdade era pra ter umas fotos, mas tô com uma putcha preguiça de fazer isso.

Professor X: Precisamos de alguém careca que faça cara de sério, a nossa escolha seria Raul Cortez. Se o professor fosse um sujeito mais bem humorado, a escolha poderia ser o Derico, do sexteto do Jô Soares. Claro que sua trancinha seria retirada com os mais avançados recursos tecnológicos, como tesoura e facão.

Jean Grey: Aqui não precisa de ninguém de alto nível, já q ela não fez nada interessante o filme inteiro, a nossa escolha seria um manequim de peruca ruiva ou daquelas bonecas de silicone a venda em qualquer Sex Shop. Aposto que elas atuariam melhor.

Ciclope: Aqui só precisamos de alguém com cara de mauricinho, e com pinta de modelo. Serve até o Luigi Barrichele, ou Reynaldo Giancchini, assim já temos garantido o público feminino pra nosso filme.

Wolverine: Precisamos de alguém meio baixo, cabelo grande e beberrão. Ninguém melhor que o novo membro da M.E.D.I., Miyasa. É só ele aprender a fumar, pra ter intimidade com o charuto.Ui!

Tempestade: Aqui poderíamos usar outro manequim, porque é a mesma situação da Jean Grey, mas escolheremos a Camila Pitanga, pra deixar nossos hormônios masculinos em alta.

Vampira: Pra essa versão teen, só a Samara Felippo de Malhação (que na minha opinião daria um belo cosplay de Skuld) dava conta do recado, ou a cantora Sandy, que garantiria o público infantil, mas o que todo homem tarado e fã de X-Men queria era uma Vampira adulta, pra isso basta a Ellen Rocche, que já até encarnou a Lara Croft e leva nosso selo Uh tererê, que premia as musas das musas.

Magneto: Segundo o filme original, precisamos de um sujeito com cara de Papai Noel, nesse caso, servia o Ziraldo. Se possível, até com uma panela na cabeça, igual sua criação, Menino Maluquinho. Pelos menos não seria um capacete tão apertado como o do filme mutante.

Mística: Fácil, pra essa escolhemos a Valéria Valenssa, que está super acostumada a ser pintada em todo carnaval e, como dedicados fãs de
X-men, nós, da M.E.D.I., faríamos o árduo trabalhado de pintar todo seu corpo de azul durante todo o tempo de filmagem, oba!

Dentes de Sabre: Segundo o filme, só precisamos de algum loiro cabeludo e com barba. Moleza, só usar o líder do grupo Engenheiros do Hawaii, Humberto Gessinger. A diferença é que nossa escolha não ia só rosnar o filme inteiro, mas poderia até cantar algo como: "O Dentes-de-Sabre é pop, e não poupa ninguém"... ou até um "Era um mutante que como eu, odiava os humanos"...

Groxo: Aqui teria que ser alguém linguarudo, que tal o jornalista Leão Lobo?

Extra:
Mojo: Precisamos de alguém faça qualquer coisa pra conseguir audiência, não importa como. Só tem uma escolha pra ele, Gugu, o apresentador do trash Domingo Legal.

Cinema Massacra X-Men

Por Galford (Publicado originalmente em 24/02/2001)

Nossos mutantes foram derrotados, e adivinhe pq quem? Sentinelas? Massacre? Magneto? Apocalipse? Não, por outro tipo de inimigo, o cinema, sim, aquele q faz a gente tremer nas bases cada vez q inventa de fazer adaptação de alguma HQ. Mas desta vez eles foram piores, fez muita gente acreditar q aquilo é um filme da hora, santa lavagem cerebral, Batman. Por isso, se gostou do filme e deseja manter seu bom humor, melhor evitar essa coluna. Vamos analisar primeiro cada ator desse "movie".

Professor Xavier: é, fez o q tinha q fazer, como se fosse difícil ficar sentado e fazer cara de sério. Jean: Ela tava lá? Passou longe da original, tava mais apagada em cena q fósforo usado.
Ciclope: Tá certo q muitos o odeia por seu jeito certinho demais, mas reduzi-lo a um carinha meio enrustido e mauricinho é dose, o cara ta precisando comer muito arroz e feijão pra chegar ao original.
Wolverine: É um dos poucos q salva, ficou bem fiel ao original, mas, desde q leio X-men nunca vi as garras dele sair entres os dedos... Q josta é aquela?
Tempestade: Essa foi mico total, não bastasse a peruca vagabunda, a pose desengonçada ao sair do elevador, ela solta uma frase típica de loira burra ao detonar o Groxo.
Vampira: Tudo bem q Anna Paquin é muito gatinha e cumpriu seu papel, mas o q todo macho fã de X-men queria era uma Vampira adulta e sarada, uh tererê.
Magneto: Esse é deprimente, tudo bem q ele tenha várias décadas nas costas, mas não tinha um tiozinho mais conservado, não? Fora q o capacete dele dava uma nítida impressão q faria um patê da cabeça dele de tão apertado. Ele deve convencer mais como Papai Noel.
Mística: Tiveram trabalho a toa, gastaram mais de duas horas pintando a bela Rebbeca Romijin-Stamos, enfiando lhe um monte de escamas, ou pra passar uma imagem de um camaleão ou de um ralador de côco ambulante. É tão simples, cabelo ruivo (e SOLTOS), lente de contato, e não precisa estar nua, roupa branca, a Switch (Matrix) mostrou q dá pra se vestir de branco e parece perigosa ao mesmo tempo. Depois é só pintar as partes do corpo não cobertas pela roupa de azul e pronto. Necessário dizer q ela parecia uma perereca louca qd bateu no senador?
Dente de Sabre: Conseguiu ser o pior de todos, foi resumido a um vilão fracote, bobão q nem fala, só soltas mesmo rugidos, e ainda esqueceram informa-lo, q Wolvie é seu pior inimigo.
Groxo: Não entendo, pegaram um personagem podre, e transformaram num sapo q só fez merda, primeiro, deu um pau nos X-Men, um quase figurante da HQ. Segundo, cuspiu uma gosma na Jean (q o Ciclope tirou com seu laser ótico, o q seria o mesmo q tirar uma espinha com maçarico). Terceiro, usou a língua como uma espécie de tentáculo. E por último, mas não menos estúpido, engoliu uma pomba, putz!! Ainda te prefiro como Dart Maul.
Senador Kelly: Coitado, foi transformado num mutante feioso e morreu como um bolha, em todos os sentidos.

E o roteiro fez o favor de enterrar tudo de vez, inventou q o Magneto tinha plano de transformar todos em mutantes, usando uma máquina besta, transformou um membro fundador chamado Homem Gelo, num mero estudante. Em vez de babá da Kitty Pride, Wolvie virou babá da Vampira e a Mística não usa arma como nAs hqs, resolve tudo no braço, com golpes a lá matrix. Depois de tantos anos ainda não aprenderam a fazer adaptações de HQ decentes. Vcs podem até dizer q fizeram visando os leigos tb. Bobagem, os leigos não entenderam foi nada, além dos mais, os X-men tem fãs suficientes pra entupir a bunda da Marvel e da Fox de dinheiro. Mas os uniformes originais não iam ficar ridículos no cinema? Deu na mesma, parecia um fã-clube do Matrix. Mas o filme não foi um sucesso? Era impossível o filme dos X-Men não dar lucro, só os curiosos pagariam o investimento. De quem é a culpa? Todos, do estúdio q fica dando palpites, do diretor q nem sabia o q tava filmando, dos atores q nem se dão ao trabalho de pesquisar sobre o personagem (se é filme q pode dar Oscar, todos fazem mó pesquisa), da Marvel q deixa fazer bombas com seus produtos, entre outras coisas. Pq vc não faz melhor? Talvez eu não fizesse uma obra prima, mas com certeza eu não faria tantas burradas. Apesar dos pesares, gostei mais do movie do Spawn, mesmo com seus defeitos. Estranho q muitos gostaram, inclusive muitos entendidos de HQ, q trampam em revistas, ou foi uma lavagem cerebral coletiva ou todos combinaram de gostar para Marvel ficar feliz e lançar mais filmes de HQ. Vcs podem até me xingar, mas pra mim e muita gente q esperou anos pra ver um filme dos X-Men, encarar um filme como esse, foi um como receber um soco no estômago depois de uma feijoada. Espero q Homem Aranha seja bemmmmmm melhor...

Final Fantasy IX

Por Galford (Publicado originalmente em 05/09/2000)

Há muitos anos atrás, um senhor chamado Hironobu Sakaguchi, estava muito descontente em criar jogos, quase a ponto de desistir desse ramo, foi lhe um dado uma última chance, pensando nisso, Hironobu, batizou esse último projeto de Final Fantasy. E pra surpresa de muitos, possivelmente dele tb, esse jogo se tornou a melhor série de RPG do mundo. Após fazer sucesso no NES, SNES, algumas versões como FFV e FFIV, ainda são jogados até hoje, considerados grandes clássicos. Mas terminado a era 16bits, FF embarca pra era 32bit no PSX, não é um salto, é um vôo de qualidade da série, FFVII, é um show de gráficos e diversão dividido em 4 CDs, surge FFVIII, contexto e visual novo, renegando suas raízes (alguns fãs reclamam, outros deliram, como eu). FFIX, o último da série pra PSX, e atendendo aos pedidos de todos, o jogo volta a suas raízes, e começa mais uma aventura cheia de magia...

ENREDO

Bem vindo a Gaia, um planeta divido em 4 reinos, em uma era medieval, cheias de avanços tecnológicos. Em Linblum, seu regente Cid (esse cara tá em todas, hehe), anda estranhando as ações da feiosa Brahnem, rainha de Alexandria. Então ele envia uma bando de ladrões , disfarçados de artistas, incluindo Zidane, o personagem principal, para seqüestrar a Princesa Garnet e buscar informações. A princesa parece demonstrar entediada com essa vida no reino, e aceita pra surpresa de todos, fugir com os ladrões. Steiner, seu guarda-costas sai em seu calço em afim de protege-la de todos os perigos reino a fora. A Rainha não vai medir esforços pra ter sua princesa de volta, usando inclusive os poderosos Black Magic, aliás, um desses magos será seu companheiro, o pequeno Vivi.

O JOGO

Seguindo de costume da série, temos ataques, magias, itens, armas, armaduras, acessórios, conversar com todos, o básico de RPG. Diferente do FFVII e VIII, agora é possível jogar com 4 personagens. Uma novidade é o Active Time Event, geralmente ativado qd seu grupo se separa, serve para visualizar as ações dos outros personagens, e assim encontra-lo adiante. Como no FFVIII, temos um jogo de cartas (com regras diferentes, e em determinada parte, necessário jogar e ganhar pra avançar), mini-jogos como escavar itens com Chocobo. Uma coisa legal, é q qd vc passa por perto de um baú, placa, alavanca, surge uma exclamação, facilitando seu avanço. Agora seu salve é feito com os Moogles (aquele gatinho com asas de morcego), q pode estar congelado, escondido ou até invisível (como na última tela), mas no mapa é possível chamá-lo a qq momento.

GRÁFICOS

Como sempre, a Square se supera, vc se impressiona com o alto nível de detalhes, as animações dos personagens, as magias tb tem um belo visual. Um ponto ruim, são os invocações, q possuem gráficos e animações inferiores ao VII e ao VIII, estão mais curtas e em alguns sofrem cortes (talvez feitas assim devido as reclamações de demora das invocações do VII e VIII). E como de costume as CGs estão animalescas, só pra vcs terem idéia, imagine Bahamut vs Alexander lutando mortalmente numa CG. DEZ!!!

PERSONAGENS

Existem oitos personagens principais, mas uma, Beatrice, q pode ser controlado em alguns eventos. Alguns nomes sofrerão mudanças na versão americana.

ZIDANE TRIBAL: Esse ladrão, q possui uma cauda felina, é o personagem principal, tem dezesseis anos, e como todo personagem de FF, sofre problemas de amnésia, ao longo do jogo vai descobrir fatos importantes do seu passado. Seu forte é o combate mano a mano, sua habilidade é roubar, durante o modo Trance (calma, q vou explicar daqui a pouco), além de aumentar seu poder de ataque, ganha poderosas magias.

GARNET TIL Alexandros the 17th: Filha de Brahne (adotiva com certeza)e herdeira de trono de Alexandria (ela não lembra a Rinoa?), essa princesa meio entediada, tem como seu forte as magias de curas e habilidade de invocar as Sacred Beast (guardiões). Um doce pra quem adivinhar por quem ela vai se apaixonar!

IVI ORNITIER: Esse jovem de 9 anos, tb tem problemas de amnésia, e não entende pq é o único Black Magic fora do domínio da Rainha, entra na equipe sem querer. Seu forte são as magias elementais, durante o modo Trance, pode soltar duas magias num único turno.

ADELBERT STEINER: Famoso por ser Líder do único regimento masculino do exército de defesa do reino, seu objetivo principal é proteger a princesa de todos os males a qq custo. Seu forte é o ataque mano a mano tb, q podem ser mais poderosos se combinados com as magias de Vivi.

SALAMANDER CORAL: O personagem de cabelo mais esquisito do jogo, é meio enigmático, tem alguma relação com o passado de Zidane. Seu ataque baseia-se tb no mano a mano, sua habilidade é de arremessar armas (as do seu inventário, então cuidado pra não jogar uma arma útil.)

EIKO CAROL: Essa menina meiga tem apenas 6 anos, entra no grupo pra conhecer o mundo, tem uma quedinha por Zidane, por isso tem um ciúminho de Garnet. Não a julgue pelo tamanho, ela tb pode invocar as Sacred Beast e soltar magias poderosas. Assim como Vivi pode soltar duas magias num único turno no modo Trance.

FREIJA CRESCENT: É membro do grupo Dragon Knight, é atormentada pela lembrança de um amor perdido, seu forte é o ataque mano a mano, sua habilidade é um supersalto q o faz ficar fora da tela durante alguns turnos pra depois aterrissar com um golpe forte no inimigo.

QUINA QUEEN: É o personagem mais esquisito do jogo, está sempre com a língua de fora e com fome (adora pegar sapos), seu ataque tb é no mano a mano, mas usando um garfo (?). Durante o modo Trance, pode comer os inimigos (no bom sentido) e assim adquirir magias.

JOGABILIDADE

Basicamente, são ataque, habilidade, magia e item. Alguns explicações:

ATB: Active Time Battle, isso todos vcs conhecem, é preciso esperar sua barra ATB encher para atacar (o chato q algumas vezes vc ativa o comando, e o personagem fica enrolando pra atacar).

TRANCE: Vc possui uma segunda barra, q enche conforme apanha, qd cheia, ativa o modo Trance, seu personagem sofre uma metamorfose, adquire maior ataque e novas habilidades já citadas.

FORMAÇÃO: Vc pode posicionar seus personagens, mas as frente, aumenta ataque, mas atrás, aumente defesa, vc pode fazer isso no menu principal ou durante a batalha ao custo de um turno.

CHOCOBO: Pra jogar o mini jogo do chocobo, é necessário conversar com um moogle dentro de Florest Chocobo’s, adquirido a flauta, use-a em cima das pegadas do chocobo. Tendo ele, entre novamente na floresta, converse com o moogle, e poderá jogar. Seu objetivo é encontrar itens no chão, vá bicando, vai aparecer uma msg, qts mais exclamações tiver, mas perto está do item. Logo vc pega as manhas, ao pegar 4 itens vc ganhar mais tempo, ao pegar 8 acaba o jogo, qt mais tempo sobrar mais ponto. Conforme joga, aumenta seu nível, o Chocobo bicará mais rápido, facilitando o jogo. Mas o detalhe importante, é q vc adquira os chocografhs nesse jogo, eles indicam tesouros escondidos, no chocografh há uma foto do local do tesouro, vá no local e fique bicando até achar. Vc pode encontrar de itens, cartas e updates pro chocobo (como andar em água rasa, oceanos, subir montanhas, voar, super bicada pra usar nas rachaduras). Tem chocografhs muito difíceis de achar, vai gastar tempo nisso. Vc pode jogar na Floresta Chocobo e qd pegar upgrade de água na rasa, encontrar o outro mini jogo, é um buraco numa ilha, a sudoeste do mapa. Não dá pra pegar todos chocografh de uma vez, eles param de vir, e aparecem novamente tendo completado novos eventos da história do jogo. UFA, cansou.

MAGIAS E SACRED BEAST: O ponto mais importante, note q qd vai equipar seus personagens, vc percebe q as armas, acessórios e etc, tem barra de AP, ou seja, eles te fornecem magias e habilidades (cada personagem tem as suas exclusivas), conforme vc luta e ganha AP, ela enche, até 3 estrelas, tornado uma habilidade fixa no seu menu, mas ela só enche se estiver selecionada com uma jóia (aquela bolinha azul). E para Garnet e Eiko, alguns acessórios fornecem Sacred Beast, eles ficam no topo do menu de habilidades, e tem maior gasto de MP, isso mesmo, Magic Points, eles estão de volta.

Durante o jogo, os inimigos costumar dar míseros 2 AP, então demora pra encher, o q pode te ajudar são os monstros especiais, são monstros q não te atacam, note q não há nem música de batalha, eles pedem certo itens, geralmente cristais, dando o item, eles podem dar de 10 a 40 AP, mais fácil, né? Então fique esperto, eles aparecem de aleatoriamente.

SOM

Sem comentários, né? Está animal, e como sempre tem aquelas músicas cantadas q ficam na memória.

FINALIZANDO

Sendo da série Final Fantasy, já é um jogo obrigatório, ao contrário de muitos, eu adoro FFVIII, fui um dos jogos q mais me impressionou, FFIX não impressionou tanto como ele, talvez pelo Sacred Beast inferiores, e aparentemente, a falta de segredos há desvendar. Achei o jogo fácil em relação ao VIII, pq assim q termina um evento, geralmente vc é mandando ao outro (evitando o efeito barata tonta de procurar o local pra prosseguir) e a quase todos os chefes matei na primeira (e olha q não sou nenhum viciado), o q empacou foi os chocografhs, confesso q precisei de ajuda pra achar alguns, mas vc vai se divertir muito, só vai passar menos nervoso do q jogando Chrono Cross q tem alguns chefes aparentemente impossíveis. Aproveitem bem, pq é o último FF pra PSX, o X e XI já estão sendo produzidos pra PSX2, q talvez pra muitos como eu, está financeiramente longe. Hehehe.. Ainda tem dúvidas se FFIX vale a pena? Vale tranqüilo, pode gastar seus trocados na boa, nem o fato de estar japa complicou o jogo, é um RPG de qualidade. DEZ.

Chrono Cross

Por Galford (Publicado originalmente em 02/04/2000)

Há 5 anos atrás foi lançado pela poderosa Square, um RPG chamado Chrono Trigger, fecundado por Yuji Hori (criador de Dragon Quest), Hironobu Sakaguchi(produtor de Final Fantasy) e Akira Toriyama (autor de Dragon Ball Z), contava a história de Chrono e seus aliados em batalhas por viagens temporais, desde pré-história até o futuro, com poderosas magias combinadas, uma enredo cativante, cheios de reviravoltas, gráficos perfeitos, personagens carismáticos, som envolvente e mais de 10 finais diferentes, resumindo, uns dos melhores jogos de SNES (foi lançado um remake pra PSX com adição de cenas de anime), q conquistou uma legião de fãs, q fez muita gente começar a gostar de RPG (eu mesmo tô nesse meio), é uma clássico, jogado até hoje pelos emuníacos da net, inclusive, temos a felicidade de poder jogar essa pérola em português, Deus seja louvado.

Passado o momento nostalgia, tá hora de falar da tão desejada continuação:

ENREDO: Seja bem vindo a história de Serge, um garoto q foi levado a um mundo paralelo após morrer, ele se alia a loirinha Kid , em busca da poderosa Frozen Flame, para conseguir voltar a seu mundo, e encontra em seus caminhos muitos aliados, e claro, inimigos, como o homem-gato Yamaneko, q deseja a Frozen Flame para si.

O JOGO: Além do básico, converse com todos, mate, avance e compre armas, armaduras e acessórios, esqueça os itens de reviver, curar, e etc, aqui não tem nada disso (isso tudo é feito a base de magias), vc só tem os Key Itens, q são itens básicos pra prosseguir no jogo, e conseguir novos aliados. E é possível fugir de qq lutar a qq momento, e vc não demora muito pra subir de nível, mas só matando os personagens mais fortes q concedem bons níveis (inclusive magias e estrelas), derrotando os fracos geralmente ganham apenas mais um pontinho de HP, os inimigos são visíveis na tela antes da luta, podendo ser evitados. Mais uma coisinha, como no original, está presente o famoso New Game+, aquele mesmo q te dá chance de começar um novo jogo com os níveis altos de um jogo já terminado (e descontar sua ira naqueles inimigos q vc sofreu pra passar), começar com o Time Egg q serve pra fazer os finais diferentes, e um item q serve pra acelerar ou diminuir a velocidade do jogo, muito útil pra acelerar as falas dos personagens (isso seria muito útil em Final Fantasy 8, tem hora q cansa ver as invocações dos guardiões.)

GRÁFICOS: O q não falta no jogo são cores, todas as telas são cheias de detalhes e cores, tem hora q até confude, os personagens 3D superam os de Final Fantasy 8 pelo detalhamento (calma, só efeito de comparação, entenda-se q FF8 é um jogo meio “antigo”), mesmo os personagens possuindo um estilo mangá, as CGs não ficaram algo muito SD como os de Final Fantasy 7, as primeiras magias possuem um visual simples, mas conforme vc avança, surge outras cheios de efeitos especiais, do tipo vc vê e fala: Nossa, da hora.

PERSONAGENS: Vc começa com um Serge, Kid e um personagem q varia a cada jogo, passado o primeiro evento, vc recomeça controlando somente Serge, mas conforme vai jogando, vai recrutando novos personagens (alguns bem estranhos, espere de tudo), sendo por conta do enredo, salvando alguém, dando certo item, estando no lugar certo na hora certa, enfim, pode esperar cerca de 40 personagens, (com estilo próprio, 3 magias exclusivas, e alguns bem extravagantes), q podem influenciar o enredo de varias maneiras.

JOGABILIDADE: Putz, prepare-se pq ela é bem diferente do original.
ATAQUE: Continua o sistema de turno, mas vc possui uma barra de stamina de 7 pontos, funciona assim, vc pode atacar o inimigo com 3 níveis de força, fraco, médio e forte, qt mais forte o ataque, mais stamina é gasta e maior a chance do inimigo se esquivar. Comparando, vc pode aplicar cerca de 6 golpes fracos (fique sabendo q o inimigo não vai tomar tantos golpes seguidos na boa, ele pode revidar a qq hora)com alta porcentagem de acerto, ou 3 golpes fortes q com alta chances de ser esquivado.

MAGIA: Bom, vamos explicar do comecinho, a magias não vão automaticamente para os personagens como no anterior (é possível comprar algumas), é preciso equipa-las, vc possui slots de magia, q aumentam conforme seu level, qt mais o slot estiver a direita, maior seu nível, e elas são divididas por cores, algumas magias só podem ser equipada em certos slots e personagem, podem até combinar certas magias pra maior dano. Há tb Color Field, é um campo de 3 cores, fica com a cor das magias q vc solta e inimigo tb, estando numa cor única, o personagem q tiver afinidade com essa cor, poderá usar sua magia mais poderosa (tem uma estrela do lado do nome)ao custo de suas estrelas. Calma, não acabou, há magias exclusiva pra casa personagem, e elas mesmo q vc tem q usar pra dar os famosos ataques combinados (cada magia só pode ser usada uma vez por luta), geralmente vc ganha a nível 3 e 5, qd chegar ao nível alto, já o nível 7, é preciso procurar. Pra terminar, vc não pode usar magia no primeiro ataque, após o primeiro golpe com sucesso, vc vai acessando as magias e assim por diante, conforme vai acertando. Conselho, é mais fácil entender jogando do q lendo.

SOM: Dispensa comentários, está perfeito, é feita pelo mesmo compositor do original, Yasunori Mitsuda, q novamente fez um belo trabalho, após sua primeira batalha com sucesso, vc notará q há algumas músicas do original, mas com novos arranjos, claro. Vc já sente o poder das músicas assim q assiste a abertura, é envolvente, nessa hora sua vontade de jogar dobra.

FINALIZANDO: É provável q vc dê umas travadinhas no jogo, por bobeira ou por algo q não é nada fácil de deduzir. A dificuldade não é muito grande, geralmente vc derrota os chefes no primeiro encontro, mas há tb inimigos q parecem invencíveis, q precisam de estratégia e sorte pra passar. Um lado ruim, é q aparentemente só 3 finais são em CGs, e bem q podia ter os personagens originais pra jogar. A versão americana estava prevista pra agosto, mas parece q já está rodando por aqui. E assim como Final Fantasy, é um RPG obrigatório, mas nada a declarar, apenas jogue...