sexta-feira, novembro 11, 2005

The Who - Tommy

Por Miyasa (Publicado originalmente em 22/03/2002)

Como vocês sabem, aqui na M.E.D.I. se fala de tudo, não apenas sobre quadrinhos. Pois bem, vamos falar um pouco de Rock. Mas se você pensa que vou falar de bandas como Nirvana ou Blink 1897x3497634², errou. Venho lhes trazer um pouco de cultura musical e lhes apresentar verdadeiros clássicos da história do Rock, clássicos que fizeram época e influenciaram músicos de todo o mundo.

Nos idos anos 60 e 70, aconteceu no mundo uma das maiores revoluções comportamentais que a civilização moderna conheceu. Foi uma época tumultuada, onde surgiram vários movimentos como o Punk, o Mode e, claro, o Hippie. E juntamente com esses movimentos, vieram as músicas que expressavam suas ideologias. Afinal, as bandas de rock eram o mais importante veículo de divulgação dessa revolução dos jovens, e de certa forma, o próprio rock foi a causa da mesma.

Foram nesses dias conturbados - e violentos - que surgiram algumas das maiores bandas da história. O blues dos Yardbirds de Clapton se transformou no peso do Led Zeppelin de Jimmy Page, os Beatles se tornaram ícones do movimento hippie, nasceu o rock progressivo com bandas como Genesis, Jetho Tull, Yes, Pink Floyd, Rush; o hard rock ficava cada vez mais pesado, com Deep Purple e Roling Stones; nasce o Heavy Metal com Black Sabbath e Judas Priest; e Iggy Pop, Ramones e Sex Pistols pregam o punk pelo mundo.

E, no meio de tanta confusão, eis que aparece The Who. Conhecida como a banda mais barulhenta da época - os músicos tocavam nos palcos com o volume tão alto que hoje sofrem com sérios problemas de audição -, o The Who começou a carreira com o visual comportado dos anos 50, seguindo o padrão dos Beatles, mas tinha em suas canções letras rebeldes e que resgatavam toda a urgencia dos jovens de sua época. As músicas I Can't Explain, I Don't Even Know Myself, My Generation, Heaven And Hell, e muitas outras, marcaram sua época pelas críticas sociais e expressarem todo o sentimento dos jovens.

Mas foi em 1969 que veio o reconhecimento da crítica, com o estranho álbum Tommy, que logo foi adaptado para as telonas do cinema em um musical surpreendente. Considerada uma das primeiras ópera rock - um disco cujas músicas narram uma única história com diálogos de personagens e narradores - e com fundamentos do progressivo incorporados, Tommy conta a história de um jovem cego, surdo e mudo que fez fortuna como campeão de pimball. Estranho? É só o começo!

Toda a história começa quando Tommy, cujo pai dado como morto na guerra, e a mãe viúva vão ao acampamento de férias e conhecem Frank, que se apaixona pela viúva e se muda para a casa deles. Porém, o pai desaparecido retorna e flagra a mulher e o amante em seu próprio leito. Sem saber de quem se tratava, Frank mata o homem, e Tommy, ainda criança, presencia toda a cena. Frank e a mãe do garoto, assustados e com medo de que Tommy os denuncie, exclamam: Você não viu nada, não ouviu nada e não dirá nada. Traumatizado fica cego, surdo e mudo, como uma espécie de bloqueio. A partir de então, surgem vários personagens inusitados, como o Pastor de uma igreja que adolatra Merilin Monroe, uma prostituta conhecida como "Acid Queen", o perverso primo de Tommy que o maltrata e o tio homossexual que o abusa. Tommy descobre que apesar de cego, é capaz de jogar pimball e logo se torna campeão milionário. Enfrenta o campeão mundial, e vence - Pimball Wizard é a melhor faixa do disco e a cena mais maluca do filme.

Após ser curado, quebrando seu bloqueio (com uma analogia genial a espelhos), Tommy descobre que é adorado por todos e percebe que é iluminado e tem em suas mãos os segredos para libertar as pessoas de suas prisões, afinal, no fundo, todos são cegos, surdos e mudos para a verdadeira razão de viver. Para atingir seu objetivo, se torna uma espécie de Messias e abre um "campo de férias", onde pretende ensinar seus discípulos a enxergar a vida como ele.

O filme atinge seu clímax na comovente cena final, com belas paisagens naturais. As canções são empolgantes e marcantes, mesclando o bom e velho rock'n roll com imagens psicodélicas, mensagens pacifistas e uma ótima historia. Indispensável para a coleção de CDs de qualquer roqueiro.

O elenco conta com artistas consagrados como Oliver Reed (Gladiador), Jack Nicholson (O Iluminado, Batman), Elton John, Tinna Tuner, entre outros. Confira o Cast:

Ann Margret: Miss Walker
Oliver Reed: Frank
Roger Daltrey: Tommy
Eric Clapton: Padre
John Entwistle: Ele mesmo
Pete Townshend: Narrador
Paul Nicholas: Primo Kevin
Tina Turner: Acid Queen
Keith Moon: Tio Ernie
Elton John: Pinball Wizard
Jack Nicholson: Doutor
Robert Powell: Capitain Walker

Tanto o CD - original e versão do filme - quanto o filme podem ser encontrados na Galeria do Rock (pra quem mora sem São Paulo).

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home