quinta-feira, março 30, 2006

The Accidental Video Game Porn Archive


Ôpa, e aí caros(as) visitantes! Estão brincando bastante com o Interactive Buddy? Ouvi dizer que este jogo é bom para revelar o verdadeiro caráter que se esconde por trás das pessoas... hehehe...
Bom, mas já que estamos falando sobre games, vocês por algum acaso já ouviram falar do site The Accidental Video Game Porn Archive? Não? Putz, mas então o que é que vocês estão esperando?!

Visitante: - Mas espere um instante tio Razor! E o que é que tem de bom aí nesta merda?
Razor NetOut: - Bem, duvido que pelo menos alguma vez na sua vida de game-maníaco, você não tenha notado uma cena em um jogo, que se for analisada por um outro ângulo (em conjunto com um belo par de olhos ligeiramente maliciosos), tenha sido distorcida pela sua mente suja, repleta de pensamentos eróticos e profanos!

Enfim, este é o intuito deste site! Ilustrar para todos o quão indecentes os jogos conseguem ser (bastando somente um pouquinho de imaginação).

Nota do Maluco Endiabrado: O Razor só descobriu este site, pois um distinto usuário do Orkut teve a cara-de-pau de se pronunciar para uma comunidade composta de mais de 7.000 membros, afirmando que tocava sanfona quando a Chun-Li do Street Fighter aplicava o seu golpe Spin Bird Kick (também conhecido como 'Helicóptero')... Se a pior parte se resumisse a isto, poderíamos dar esta situação por encerrada... O que mais me chocou foi o fato dele ter descrito o ato como se o tivesse feito 'na intenção'... Grotesco não? Até a próxima!

Tags: , , , ,

quarta-feira, março 29, 2006

Pré-Estréia de V de Vingança

da Folha Online

O evento Odisséia de Cinema, que acontece sempre na madrugada da última sexta-feira de cada mês, exibe nesta semana os filmes "Boleiros 2", de Ugo Giorgetti," V de Vingança", de James McTeigue, e "16 Quadras", de Richard Donner, entre outros títulos.

Em "V de Vingança", de James McTeigue, os amantes de quadrinhos verão a adaptação da obra de Alan Moore, que mostra uma Inglaterra sob o controle de um regime tirânico. No elenco estão Natalie Portman e Hugo Weaving. "16 Quadras", de Richard Donner" é um thriller com Bruce Willis na pele de um policial nova-iorquino, que recebe a tarefa de escoltar uma testemunha (Mos Def).

"Boleiros 2", ficção de Ugo Giorgetti, se passa na reinauguração de um bar, onde boleiros se reúnem e revelam bastidores e acontecimentos inusitados do mundo do futebol.

Completam a programação de cada uma das salas um filme-surpresa e uma sessão que fecha a programação, às 4h da manhã. Na sala 1, o último filme será a produção argentina "Tempo de Valentes", dirigida por Danian Szifron, e na sala 2, o italiano "Manual do Amor", de Giovanni Veronesi.

Nos intervalos dos filmes, o Espaço Unibanco, local do evento, se transforma em pista de dança. Ao final da maratona cinematográfica, o público tem direito a café-da-manhã.

Confira a programação:

Sala 1
23h50 - "V de Vingança", de James McTeigue
2h - filme surpresa
4h - "Tempo de Valentes", de Danian Szifron

Sala 2
23h50 - "16 Quadras", de Richard Donner
2h - filme surpresa
4h - "Manual do Amor", de Giovanni Veronesii

Sala 3
23h50 - "Boleiros 2", de Ugo Giorgetti

Odisséia de Cinema
Quando: sexta-feira (31), a partir das 23h
Onde: Espaço Unibanco (r. Augusta, 1.475, Cerqueira César, tel. 0/xx/11 3288-6780)
Quanto: R$ 15

Eu não sei quanto a vocês, mas eu já estou lá! =)

Tags: , , ,

segunda-feira, março 27, 2006

L-Space #01

Bem vindo ao Espaço-L, o plano dimensional criado a partir da ondulação quântica ao redor dos livros, e que conecta todas as bibliotecas existentes no multiverso. Neste espaço vocês tomaram conhecimento das minhas últimas leituras. Vale qualquer coisa; livros, quadrinhos, revistas, bulas de remédio ou placas de trânsito.

Coraline - Neil GaimanCoraline (Neil Gaiman) – Se eu não me engano, este livro foi a primeira incursão do Neil Gaiman no universo dos livros infantis. Coraline é uma garotinha que acabará de se mudar junto com seus pais para um novo apartamento. Como seus pais não lhe dão muita atenção, ela resolve explorar sua nova moradia e conhecer os seus novos vizinhos, um tanto excêntricos. Eis então que numa tarde chuvosa, Coraline consegue abrir uma porta de sua casa que antes dava para um muro de tijolos, e agora descobre que ela dá para o apartamento vizinho, que aparentemente estava vazio. Lá ela descobre um apartamento semelhante ao seu, mas invertido, assim como versões de seus pais, mas que possuem botões negros pregados onde deveriam estar os olhos, e personalidades opostas, pois diferente de seus pais, eles são atenciosos com ela. Esta nova moradia que a princípio Coraline achará perfeita e maravilhosa, se revelará na verdade como um lugar sinistro e assustador. Cabe agora a Coraline escapar deste mundo e encontrar os seus verdadeiros pais.

Apesar de ser um livro infantil, Gaiman mantém em Coraline o seu típico estilo gótico e sombrio de narrar histórias. Mas o que seria um grande diferencial para um livro infantil, acaba sendo mal aproveitado por ele. A história é conduzida de uma forma muito óbvia, tendo poucos momentos reais de suspenses. Dá pra antever com muita antecedência os acontecimentos, o que tira muito daquela ávida curiosidade que temos ao virar a página para descobrir o que vem a seguir. Também achei o final um tanto decepcionante.

Vocês podem dizer que este é um livro para crianças e não para um adulto (ainda por cima nerd e chato) como eu. Tá certo, pode até ser que se eu tivesse lido Coraline quando criança, tivesse gostado mais. No entanto, acho que o Neil Gaiman precisa urgentemente pegar umas dicas com seu amigo Terry Pratchett de como se fazer um livro infantil que não subestima a capacidade e inteligência das crianças, e ainda é capaz de deixar os adultos (mesmo os nerds e chatos) refletindo por horas e horas. Quem leu O Fabuloso Maurício, sabe do que estou falando. No fim, o que acaba salvando Coraline são as sensacionais ilustrações do Dave Mackean que acompanham o livro.


Alta Fidelidade - Nick HornbyAlta Fidelidade (Nick Hornby) – Antes de ler Alta Fidelidade, eu já havia assistido a sua adaptação cinematográfica, a qual tinha adorado, mas o livro consegue ser muito melhor (aliás, como quase sempre acontece). O protagonista da história (e também seu narrador) é Rob Fleming, dono de uma loja de discos que anda mal das pernas e está prestes a falir, e que junto com seus amigos Barry e Dick, que trabalham com ele na loja, possui a mania de fazer listas de “cinco melhores” sobre tudo, seja filmes, livros, músicas, ou até mesmo dos piores pé na bunda que já levou das mulheres. E é justamente uma lista dessas que ele nos apresenta no começo do livro, ao ser abandonado pela sua última namorada, Laura Lydon. A partir daí segue uma divertida história sobre relações amorosas, encontros e separações, regada com uma boa dose de ironia e muita referência ao universo pop.

Nick Hornby nos mostra que é plenamente possível fazer literatura popular sem se tornar banal ou simplório. Ele é capaz de ser erudito e hábil na linguagem, mas sem com isso se tornar chato, ou pior, hermético. Possui um estilo de narração fluída e gostosa, que faz com que você não pare de ler enquanto não chegue ao fim do livro. É por isso que Nick Hornby já entrou pro meu Top 5 de escritores ingleses fodões.

Curiosidades nerd sobre Alta Fidelidade; um dos livros favoritos do protagonista Rob Fleming é O Guia do Mochileio das Galáxias, e o autor favorito de seu amigo Barry é o Terry Pratchett. Agora me digam se Hornby não é mesmo fodão? =)

Las Vegas na Cabeça (Hunter Thompson) – Hunter Thompson é considerado o pai do , um estilo onde a objetividade dá lugar a subjetividade e a parcialidade do autor na descrição dos fatos. Neste livro Thompson narra suas desventuras ao ser enviado para Las Vegas para fazer uma matéria sobre uma corrida no deserto, mas que ao invés disso gasta todo o dinheiro que recebeu pra cobrir o evento em drogas e bebidas, além de deixar uma enorme dívida no Hotel em que estava hospedado e fugir sem pagar.

O livro demora um pouco para engatar, mas depois que você consegue entrar no universo lisérgico de Thopnson, ele flui muito bem e você começa a se divertir com as descrições de suas viagens e delírios paranóicos. Um dos momentos mais engraçados do livro, inclusive, é quando Thompson é convocado para cobrir um congresso de policiais contras as drogas, e ele vai completamente chapado. Hilário.

Só é uma pena que este livro esteja fora de catálogo, mas se você encontrá-lo perdido por algum sebo por aí, compre, pois vale muita a pena. Agora quero ver se assisto a adaptação cinematográfica dirigida por Terry Gilliam e que tem o Johnny Depp no papel de Thompson.

Eric - Discworld - Terry PratchettEric (Terry Pratchett) – Este é o nono livro da série discworld que a Conrad lançou no Brasil, e também o mais curto, li ele numa viagem de trem até a faculdade. Eric está longe de ser um dos melhores livros da série, mas ainda assim, estamos falando Terry Pratchett, com toda a sua ironia e sarcasmos habituais.

Nesta história temos a volta do mago Rincewind, que ao final de O Oitavo Mago, acabou ficando preso no Calabouço da Dimensões junto com a sua companheira, a Bagagem. Ele consegue sair de lá ao ser invocado acidentalmente por Eric, demonólogo de 13 anos de idade que estava tentando invocar o seu primeiro demônio. Pensando que o ritual deu certo, e que Rincewind é um demônio, Eric pede para ele que lhe realize três desejos. Qual é a surpresa de Rincewind ao descobrir que realmente possui poder para realizar os desejos de Eric, mas esses desejos não saíram exatamente como o garoto pretendia.

Um dos momentos de destaque do livro é quando Ricewind e Eric vão parar no meio da Guerra de Tsort, que é uma clara paródia a Guerra de Tróia, e que para quem gosta de mitologia grega e história antiga como eu, é um prato cheio, pois Pratchett faz várias referências as culturas grega e hitita.

Mas claro que Pratchett não e limita apenas a paródia, e manda muito bem na crítica também. A desse livro em especial é voltado ao maniqueísmo, ou seja, a idiota maneira que muitas pessoas possuem de enxergar o mundo dividido de uma forma simplista entre o bem e o mal, esquecendo que esses são conceitos criados pela teia de significado do próprio homem, e que, portanto, são submetidos a um relativismo histórico e cultural.

Até mais, e Obrigado pelos Peixes! - Douglas AdamsAté mais, e Obrigado pelos Peixes! (Douglas Adams) – Esta é na verdade uma releitura, pois já havia lido este livro da primeira vez em que foi publicado pela Brasiliense. Aliás, estou fazendo questão de reler estas novas edições da série Mochileiro das Galáxias lançadas pela Sextante, pois a tradução realizada pelo meu xará Carlos Irineu, é incrivelmente superior a da anterior, você percebe que ele realmente manja do universo tresloucado criado por Douglas Adams, e não deixa escapar nenhuma referência, sempre fazendo o possível para manter a fidelidade do estilo narrativo do autor.

Muitos leitores da série não gostam muito deste quarto volume, e até dá pra entender o porquê. Neste livro, os elementos que marcaram os volumes anteriores, como a narrativa frenética e tresloucada, e as loucuras non-sense, estão bem menos presentes. Até mesmo umas das características básicas da série, que são as descrições de verbetes do próprio Guia do Mochileiro, aparecem apenas duas ou três vezes em todo o livro. E mesmo o Marvin, o personagem favorito de onze entre dez pessoas, possui apenas uma rápida ponta no final do livro, e que infelizmente, é umas das cenas mais tristes da história, e até mesmo da série toda.

A verdade é que Até Mais, e Valeu pelos Peixes é menos uma história de ficção científica como os volumes anteriores, e mais uma comédia romântica. É como se Adams estivesse nos tentando dizer que o universo, a vida, e tudo mais, pudesse fazer sentido com o Amor, ainda que o alcance deste sentido seja efêmero e volúvel. Bem, eu particularmente tenho minhas dúvidas quanto a isso. O Amor parece fazer tanto sentido para mim quanto 42.

Por fim, não se deixem enganarem pela contra capa do livro, pois ao contrário do que diz lá, a série do Mochileiro das Galáxias é uma “trilogia de cinco livros” e não de quatro. E o Carlos Irineu confirmou que o quinto livro, Mostly Harmless, será publicado pela Sextante e terá o seu lançamento provavelmente em maio. Este foi o único livro da série que ainda não li, já que ele tinha sido o único volume que a Brasiliense não tinha publicado em português, por isso estou ansioso por sua publicação. Vamos ver se Douglas Adams consegue terminar a série com chave de ouro ou não.

Tags: , , , ,

Jogo da semana (Miscelânea)


E aí pessoal, como foram de fim-de-semana? Eu assisti àquele filme Espíritos... Até que foi da hora viu?! Pensei que iria ser maior trash, o trailer não inspirava muito... Mas achei a história bem interessante (apesar da time-line não fazer muito sentido em algumas ocasiões). Enfim, vale a pena assistir! Ah, antes que eu me esqueça, eu não estou sendo pago para elogiar esta porra, então tirem as suas próprias conclusões! Se vocês assistirem ao filme e concluirem que ele não vale porcaria nenhuma, podem vir aqui me xingar, ok? XD

Bom, tirando um pouco de lado este assunto, gostaria de dar início a uma nova postagem semanal, chamada Jogo da Semana. Como é que irá funcionar? Por exemplo, se você está lendo este blog agora, significa que não tem nada para fazer (assim como eu vos escrevo agora). Em outras palavras, fatalmente você também possui um tempo livre para jogar. Ah, mas isto não significa necessariamente que você possua permissão neste presente momento! Tudo varia de acordo com a ocasião... Então, se você está aí de bobeira, babando no teclado ou tirando meleca do nariz, divirta-se todas as segundas-feiras com um jogo diferente que estará sendo indicado por nós Malucos (a cada semana uma categoria alternativa, para que não haja discussão). Bom, então vamos fazer uma análise do nosso game estreante:

Interactive Buddy: Você alguma vez já se sentiu como a Felícia de Tiny Toons? Ou melhor, já sentiu vontade de espancar alguém? Então eis a solução para os seus problemas! Neste game, você se torna responsável por um bonequinho virtual, e possui diversas maneiras de interagir com ele (tanto de uma forma pura e inocente, assim como de uma maneira sinistra e cruel). Por exemplo, você pode brincar de jogar bola com ele, ou simplesmente explodir o infeliz por toda a tela com bombas e mísseis. Isto vai variar de acordo com a sua criatividade e bom senso. Conforme você for 'brincando' com ele, irá receber em troca dinheiro para comprar novos objetos que poderão ser utilizados. (Nota: 8,5)

Bom basicamente é tudo... Boa semana a todos(as)! Nos vemos em breve (assim espero)!


Fonte do jogo: Addicting Games

Tags: , , , ,

quinta-feira, março 23, 2006

Leilões Bizarros


"Cachorro que simula sexo"? "Ovos de Grilo"?? "Playground para aves domesticadas"??? What the fuck?!
É isto mesmo! Finalmente foi criado um site que reúne estas e muitas outras tralhas que estão disponíveis para venda através do Mercado Livre... Em outras palavras, seja bem vindo aos Leilões Bizarros!
Nele, além de você ter a oportunidade de conhecer alguns dos leilões mais inusitados da internet, você ainda tem a opção de se divertir com as perguntas mais absurdas deste mundo (que acabam azucrinando a vida dos pobres vendedores).
Bom, basicamente é isto, o resto eu deixo para vocês descobrirem... Boas risadas a todos! XD

Tags: , , ,

segunda-feira, março 20, 2006

Vilões Heróis?!


Após quase dois meses sem atualizações, finalmente uma nova tira foi colocada no ar no site do Homem-Grilo. E continua a série com os vilões, ou heróis, sei lá, depende do ponto de vista.

Tags: , , , ,

sexta-feira, março 17, 2006

Todo Mundo em Pânico 4

Scary Movie 4
Quem curtiu os filmes anteriores não deve se decepcionar, pelo trailer o filme promete muitos risos, fácil notar as referências como a Vila, o Grito, Jogos Mortais e outros tipos de assuntos tipo Tom Cruise apaixonadamente pé no saco e Bush joselito em "alô, alô, estamos sendo atacados!"

Site oficial: ScaryMovie
Trailer legendado: Filmes.Net

Tags: , , , ,

Jesus Save...

Jesus SalvaO Grande JC além de ser o salvador, também é uma estrela da disco music, como vocês podem conferir neste clip que ele fez cantando I Will Survive. Ou então ao ritmo de Stayin’ Alive nesta tosca animação, na qual o autor demonstra que queria realmente fazer uma produção de baixo orçamento.

Tags: , , , ,

terça-feira, março 14, 2006

Street Fighter II


Caracas! Este vídeo dá uma bela de uma surra no 'Street Fighter: The Movie' original (cuja ridícula película até foi avaliada pelo Kleber, um dos nossos ilustres contribuidores aqui da MEDI).
Tudo bem, concordo que a produção deste daí ficou muito trash, mas ainda assim, possui muito mais efeitos visuais e cenas cômicas do que aquela pérola negra que desapontou uma legião de fãs deste game ao redor do mundo.
Mas e aí, estão esperando o que?! Cliquem aqui para ver sobre o que eu estou falando!

Tags: , , , ,

segunda-feira, março 13, 2006

Top 10 - Contra o Crime

Com Watchmen, Alan Moore criou um novo paradigma para as histórias em quadrinhos de super-heróis (assim como Cavaleiros das Trevas de Frank Miller). A partir dali, tudo quanto era roteirista passou a escrever histórias onde tentavam aproximar os super-heróis o mais perto possível da realidade, como se só esse fato fosse um selo de qualidade e garantia de uma boa história. O que a principio foi uma renovação de um gênero que já estava incrivelmente desgastado, nas mãos de roteiristas não muito talentosos, esse modelo de “heróis realistas” também se desgastou rapidamente. Tivemos então que agüentar em toda a década de 90, diversas histórias de super-heróis soturnos e decadentes, mas que não chegavam nem perto da genialidade de Watchmen (ou de Cavaleiros das Trevas).

Eis então que Alan Moore, como se sentido culpado pela herança que deixou ao gênero, decidi ir na contra mão da tendência realista, e com seu selo ABC (American Best Comics), começa a escrever histórias de super-heróis mais fantásticas e fantasiosas, mostrando que é possível criar quadrinhos de super-heróis inteligentes e divertidas neste estilo, basta um pouco de criatividade. E ele nem precisou ser completamente original, apenas revisitou o gênero super-herói de uma forma inusitada, seja retornando as origens nas pulp fictions como fez em Tom Strong, seja reunindo personagens clássicos da literatura do fim do século XIX em um tipo de “liga da justiça” vitoriana como fez em A Liga Extraodinária, ou então misturando com o gênero policial como fez em Top Ten, que a editora Devir lançou no Brasil no fim do ano passado, em um álbum reunindo sete edições.

O cenário de Top Ten é a cidade de Neópolis, uma megalópole onde todos os seus habitantes são meta-humanos com algum tipo de poder especial. Na primeira história somos apresentados a policial Robyn Slinger, que está iniciando o seu primeiro dia de serviço no 10º Distrito. Slinger possui o codinome ToyBox, pois carrega uma caixa cheia de brinquedos autômatos. Ela ganha como parceiro o durão e anti-social Jeff Smax, um grandalhão de pele azul que possui a habilidade de emitir um raio energético do peito. Outros policiais de destaque do 10º Distrito são: Sargento Caesar, um cão falante que utiliza um exoesqueleto; Jack Fantasma, uma policial lésbica capaz de tornar-se etérea, Irma Wornow, que possui uma armadura que a transforma num verdadeiro tanque de guerra; Sally-Joe “Micro-Moça” Jessel, a legista do distrito, capaz de diminuir o seu tamanho e dos objetos que ela toca, Sinestesia Jackson; que possui a habilidade de misturar os seus sentidos; e o Capitão Traynor, um ex-herói da aviação nos anos 40.

Alan Moore não se intimida em utilizar em Top Ten a estrutura e os clichês clássicos de séries policiais, como Nova York Contra o Crime, por exemplo. Então junto com o desenvolvimento da trama principal, iremos acompanhar os policiais de Top Ten na investigação de diversos casos e outras atribulações de seu cotidiano, que em diversos momentos poderiam ser coisas banais, se não fosse o fato de estarmos falando da força policial de uma cidade como Neópolis. Entre os casos inusitados, podemos citar a prisão de um Papai Noel telecinético por desacato a autoridade, o ataque da delegacia por um monstro gigante no melhor estilo Godzilla, só que totalmente bêbado, ou ainda a investigação do assassinato de Baldur, o deus nórdico da beleza.

A arte de Top Ten fica a cargo de Gene Ha, que possui um desenho extremamente detalhista, e seus personagens fogem ao estereótipo padrão de super-heróis encorpados e perfeitos e super-heroínas peitudas e com pouca roupa. Aliás, os detalhes que ele coloca nos cenários são tantos, que uma das diversões à parte em Top Ten é ficar caçando as referências ao universo dos super-heróis, de ficção científica e fantasia que estão na história.

Por fim, se você é uma pessoa que já está de saco cheio de ler coisas como o centésimo confronto final entre o Homem-Aranha e o Venom, ou então a milésima tentativa do Dr. Destino em dominar o mundo, mas ainda acredita que possam existir histórias de super-heróis inteligentes e divertidas por aí, então Top Ten é a HQ que você estava procurando.

DADOS TÉCNICOS

Top 10 – Contra o Crime
Alan Moore, Gene Ha e Zander Cannon
Editora Devir
208 páginas
Compre Aqui

Tags: , , , ,

quinta-feira, março 09, 2006

Mangás (em inglês)


E aí pessoal, como é que vai essa força? Ultimamente não tenho tido muita sorte em encontrar coisas interessantes para compartilhar com vocês... Bom, mas deixando isto um pouco de lado, acho que hoje eu dei sorte!
Para quem ainda não o conhece, eu encontrei um site onde você pode fazer downloads de vários mangás existentes! Bacana né? O único problema, é que todos eles estão escritos em inglês.
Mas sabe o que mais, e daí? Foi assim que eu aprendi inglês! Jogando RPG, ouvindo músicas, assistindo filmes... E é claro, LENDO MUITO. Se você pensa que eu fiz curso de inglês na vida, vai sonhando... Acredito que se você for atrás de alguma coisa por vontade própria, tem MUITO MAIS CHANCE DE TER ÊXITO... hehehe
Bah, vamos deixar este papo de auto-ajuda para os livros e os eventuais programas que passam à tarde na TV... Divirtam-se!

sábado, março 04, 2006

Live Action

Confira aqui uma versão da abertura dos Simpsons feita com pessoas de carne e osso.
E isso aqui é o que eu chamo de um RPG Live Action de verdade.

quarta-feira, março 01, 2006

Me explica essa porra, Batimá?!

Clooney afirma na TV que Batman é gay
da Folha Online

O ator George Clooney reitera gostar de polêmica. Agora, em entrevista que vai ao ar na TV americana nesta quarta-feira, ele afirma que tirou o personagem Batman "do armário".

A resposta foi dada à jornalista Barbara Walters, que indagou se o astro, que neste ano concorre ao Oscar como diretor ("Boa Noite e Boa Sorte") e ator coadjuvante ("Syriana), tem vontade de interpretar um personagem gay. "Mas eu já fiz Batman", disse ele.

"Pense nisso. Eu estava em uma roupa de borracha, com bicos do peito de borracha. Poderia ter feito o personagem heterossexual, mas fiz ele gay", afirmou Clooney.

Na onda do filme "O Segredo de Brokeback Moutain", de Ang Lee, que concorre a oito categorias no Oscar, vários astros de Hollywood têm declarado interese em interpretar um personagem gay. Um deles é o galã Brad Pitt. Ele quer atuar em um filme "que descreva a história definitiva de um amor gay", disse uma fonte próxima de Pitt segundo o tablóide inglês "The Sun".

Me desculpem os fãs do Batman, mas essa resposta foi ótima. Aliás, o Clooney poderia até voltar ao papel do Batman num filme assumidamente gay. Poderia até mesmo se chamar BrokeBat Cave ou algo assim.

Se bem que, em se tratando de Batman gay, eu sou muito mais aquele interpretado pelo Adam West na série dos anos sessenta. Ainda que, bom mesmo, é o Filme do Bátima. =)

Batman Gay